quarta-feira, dezembro 22, 2010

Calvinismo e oração

Todos os homens assumem uma atitude religiosa quando oram. Mas muitos homens possuem um compartimento onde está esta atitude em sua oração, e ela é desligada de suas vidas com o seu Amém, e quando se levantam de sobre os seus joelhos assumem uma atitude totalmente diferente, se não do coração, mas pelo menos da mente. Eles oram como se dependessem somente da misericórdia de Deus; entretanto, eles pensam – como se fosse possível enquanto viverem – como se Deus, em algumas de suas atividades menores, fosse dependente deles.

O calvinista é o homem que está determinado a preservar o que ele recebeu em oração em todos os seus pensamentos, em todos os seus sentimentos, em tudo o que faz. Isto quer dizer que, ele é o homem que está determinado a fazer que a religião em sua pureza venha a sua plena retidão em seus pensamentos, sentimentos e vida. Este é o fundamento de seu especial modo de pensar, a razão pela qual ele é chamado um calvinista; e de igual modo especial age no mundo, a razão pela qual ele se torna a maior força regeneradora no mundo. Outros homens são calvinistas sobre os seus joelhos; o calvinista é o homem que está determinado que o seu intelecto, coração e vontade permanecerão sobre os seus joelhos continuamente, e a pensar, sentir e agir somente a partir deste fundamento. Calvinismo é, antes de tudo, aquela espécie de pensamento no qual vem a sua verdadeira atitude religiosa de dependência interna de Deus e humilde confiança somente em sua misericórdia para a salvação.

Extraído de Nathaniel S. McFetridge, Calvinism in History, pág. 2

sexta-feira, agosto 27, 2010

A necessidade da oração

Questão 116: Por que a oração é necessária aos cristãos?
Resposta: Porque ela é a principal parte da gratidão que Deus requer de nós; e também, porque Deus concederá graça e o Espírito Santo somente àqueles que, sinceramente continuarem pedindo a Ele, e terem gratidão por eles.

Extraído de Heidelberg Catechism [versão inglesa de Netherlands Reformed Book and Publishing], pág. 623

O que é oração?

A oração consiste em invocar ao verdadeiro Deus, e o elevar de um reconhecimento e percepção de nossa necessidade, e de um anseio de compartilhar da bondade divina, na verdadeira conversão do coração e confiança na promessa da graça de Cristo o mediador, buscando nas mãos de Deus tais bênçãos espirituais e temporais que sejam necessárias para nós; ou em dar graças a Deus pelos benefícios recebidos.

Extráido de Zacharias Ursinus, Commentary on the Heidelberg Catechism, pág. 619

A necessidade da oração

Questão 96: Por que a oração a Deus é necessária para os cristãos?
Resposta: Primeiro, porque ela é a mais importante parte de nossa gratidão a Deus, sem a qual a verdadeira fé não pode existir. Segundo, porque Deus não deseja dar o Espírito Santo, a eterna salvação, e todas as coisas que beneficiam àqueles que desprezam ou não reconhecem os seus dons, mas somente àqueles que oram sincera e incessantemente, e glorifica-o por estes dons.

Extraído de Zacharias Ursinus, The Smaller Catechism, pág. 159

A verdadeira oração

Questão 225: Como é a verdadeira invocação a Deus?
Resposta: Ela é um ardente anseio da alma pela qual, de acordo com os seus mandamentos e promessas, pedimos e esperamos por dádivas espirituais e físicos procedentes somente de Deus, por causa de Cristo; ou, ela é ações de graça a Deus pelos dons recebidos.

Extraído de Zacharias Ursinus, Larger Catechism, pág. 205

quinta-feira, agosto 26, 2010

A necessidade da oração

Questão: É a oração necessária?
Resposta: Sim, ela é um meio de se obter o que Deus ordenou (Invoca-me no dia da angústia; e eu te livrarei, e tu me glorificarás. Sl 50:15, ARA).

Extraído de A. Hellenbroek, A Specimen of Divine Truths, pág. 81

Definição de oração

Oração é falar a Deus com verdadeira e humilde contrição do coração acerca daqueles assuntos que estão de acordo com a sua santa vontade. Ela é tanto a invocação de Deus como ações de graças.

Extraído de Johannes Wollebius, Compendium Theologicae Christianae, pág. 203

Definição de oração

Oração é o discurso a Deus, em nome de Cristo como Mediador, sob a influência e pela assistência do Espírito de Deus, em fé, para que permaneçamos na sua necessidade, e que seja coerente com a vontade de Deus, para a sua glória conceder e, portanto, ser solicitada com humilde submissão.

Extraído de W.R. Downing, A Baptist Catechism with Commentary, pág. 195

Três aspectos de relação da oração

Assim, a oração é feita em três aspectos. Ela é o apelo da criatura dependente; é o lamento do culpado pecador; e ainda, é a articulada adoração de uma alma inteligente. Sob o primeiro aspecto, Deus é considerado em sua relação natural como o criador e preservador de todas as suas criaturas. Sob o segundo, ele é contemplado em sua graciosa relação como o redentor e salvador dos pecadores. E por último, ele é adorado em sua consumada santidade e glória.

Extraído de Benjamin M. Palmer, Theology of Prayer, pág. 15

Definição de oração

Oração é uma conversa familiar com Deus, em nome de Cristo (Jo 5:14) expondo os desejos de nossos corações a dEle: e o elevar de nossas mentes, e um derramar de nosso coração diante de Deus; para o mais amplo e livre frutificar de coisas boas que necessitamos (Sl 50:15; Jr 33:3; Lm 2:19; Fp 4:6).

Extraído de Archebishop James Ussher, A Body of Divinity, pág. 309

A comunhão da oração

Oração é a conversa que Deus permite-nos manter com Ele, enquanto estamos aqui embaixo. Ela é a linguagem que a criatura usa para se comunicar com o Criador, e que a alma de um santo muitas vezes recorre para aproximar de Deus, experiências de grande deleite e, deste modo, habita com seu Pai celestial por um curto período de tempo, antes que ele vá para o céu. Isaac Watts

Extraído de Isaac Watts, A guide to Prayer, pág. 8

O poder transformador da oração

Mas o mais importante, é que a oração é que nos tranforma. Podemos envolver mais profundamente nesta comunhão com Deus e conhecer Aquele com quem estamos falando mais intimamente, e um crescente conhecimento de Deus é revelado ainda mais brilhante, e o que somos e a nossa necessidade é transformada em conforme Ele quer. A oração nos altera profundamente.

Extraído de R.C. Sproul, The Prayer of the Lord, pág. 14

Oração e afeição

"Oração é uma apresentação devota de nossa vontade diante de Deus, de modo que Ele pode ser, como ela foi, afeiçoado por ela."

Extraído de William Ames, The Marrow of Theology, pág. 258

terça-feira, julho 20, 2010

quarta-feira, junho 23, 2010

O número de eleitos e réprobos

Este Decreto é certo e imutável? ~ Sim, ele precisa ser assim. Porque ele tem por base a eterna e imutável da vontade de Deus, e por isso, há uma certeza do número de eleitos e réprobos conhecidos somente por Deus, os quais não é possível ser aumentado, nem diminuído, Jo 13:18; 2 Tm 2:19.

Extraído de Archbishop James Ussher, A Body of Divinity, pág. 79

quinta-feira, junho 17, 2010

A Escritura é a verdade

Não existe nada nelas que não mereça ser de Deus, nada que seja contrário a sua verdade e credibilidade, a sua pureza e santidade, a sua sabedoria e bondade, ou as perfeições de sua natureza. Não existe falsidade, nem contradição nelas. Podem ser chamadas com grande propriedade, como o são, as Escrituras da Verdade e a Palavra da Verdade.

Extraído de John Gill, Body of Divinity, pág. 14

Toda Bíblia ou parte dela?

O fato é que nos encontramos com uma eleição entre duas versões de Cristianismo. Trata-se de escolher entre o evangelicalismo histórico e o subjetivismo moderno, entre um Cristianismo que é consistente consigo mesmo e um que não o é; de fato, entre um que é completamente dado por Deus e outro que é parcialmente produzido por homens.

Extraído de J.I. Packer, Fundamentalism and the Word of God, pág. 170

terça-feira, junho 01, 2010

Igreja Católica é Romana?

O Bispo Hugh Latimer respondendo ao seu inquiridor, o católico Bispo Lincoln, respondeu: "Eu confesso que há uma igreja católica [...], mas não a igreja que você chama de católica, que de boa vontade poderia ser chamada diabólica. E, enquanto você junta 'Romana' à igreja católica, eu paro aqui, e oro por você. Pois ela é algo que pode ser dita igreja Romana, e outra coisa é dizer igreja católica."

Extraído de Iain H. Murray, The Reformation of the Church - A colletion of Reformed and Puritan documents on Church issues, pág. 20

terça-feira, maio 11, 2010

Centralidade bíblica no Calvinismo

Segundo o ensino calvinista, Deus é quem controla tudo, é natural que o calvinista queira ver todas as coisas como Deus as vê, e deseje fazer em tudo a Sua vontade. Assim, para ele a Bíblia ocupará um lugar primordial, tanto em seu sistema como em sua vida. O calvinista fará da Palavra de Deus o seu cânon, ou seja, a regra de toda a sua vida: a regra de conduta que regulará a sua obrigação moral.

Extraído de H. Henry Meeter, La Iglesia y el Estado, pág. 25

quinta-feira, abril 15, 2010

Definição de Depravação Total

Por total depravação entende-se aquele homem que por natureza em toda a sua existência, com todo o seu coração, mente, alma e força tornou-se escravo do pecado; ele é inteiramente incapaz de fazer alguma coisa boa e, está inclinado para o mal.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, pág. 358

quinta-feira, março 18, 2010

O papel do pastor

Do pastor é exigido ser competente, não somente para instruir o seu rebanho na revelada ciência da redenção, mas também para defender a sua fé, pela refutação e convencimento de todos os ataques.

Extraído de Robert L. Dabney, Discussions, vol. 3, pág. 55.

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Cessação de novas revelações

Não é cometido pelo Espírito Santo, que Cristo prometeu, inventar revelações novas e nunca ouvidas, ou formar um novo gênero de doutrina, com a qual nos apartará do ensino do evangelho, depois de habê-la admitido; senão que compete ao Espírito de Cristo selar e fortalecer em nossos corações aquela mesma doutrina que o evangelho nos ensina.

Extraído de Juan Calvino, Institución de la Religião Cristiana, I.IX.1

Trindade Econômica

Ao Pai atribui-se ser o princípio de toda obra, e a fonte e manancial de todas as coisas; ao Filho, a sabedoria, o conselho e a ordem para organizar tudo; ao Espírito Santo a virtude e a eficácia de operar.

Extraído de Juan Calvino, Institución de la Religión Cristiana, I.XIII.18

ExtraCalvinisticum - 2 naturezas do Redentor

Ainda que [Cristo] tenha unido a sua essência infinita com a natureza humana numa única pessoa, todavia, não podemos falar de encerramento, nem prisão; porque o Filho de Deus desceu miraculosamente do céu, sem deixar de estar nele; e, também miraculosamente deixou o seio de Maria, e viveu no mundo e foi crucificado de tal forma que, entretanto, com a sua divindade enche o mundo, como antes.

Extraído de Juan Calvino, Institución de la Religión Cristiana, II.XIII.4

quinta-feira, janeiro 28, 2010

Provas da exitência de Deus - 2

A prova no teísmo não consiste certamente em deduzir a existência de Deus como a de um inferior por um superior; mas, em mostrar que a existência de Deus é em si um postulado da razão, a última base sobre a qual repousa todo o outro conhecimento, todas as outras crenças. O que queremos dizer por prova da existência de Deus é simplesmente que há atos do pensamento necessários pelos quais nos levantamos do finito para o infinito, do causado para o incausado, do contigente para o necessário, da razão implicada na estrutura do universo para a Razão universal e eterna, que é a base de tudo da moralidade, na consciência ao Legislador e Juiz moral.

Extraído de James Orr, Concepción Cristiana de Dios y el Mundo, pág. 119.

Provas da existência de Deus

... que um Deus capaz de ser provado não seria um Deus absoluto; visto que isto significaria que há algo maior do que Deus, do qual a sua existência pode se deduzir.

Extraído de James Orr, Concepción Cristiana de Dios y el Mundo, pág. 119