quinta-feira, agosto 31, 2006

Deus controla cada detalhe

Mas, Deus controla não apenas o curso da natureza e dos grandes eventos da história. Como temos visto, Ele se envolve com cada detalhe também. Assim, encontramos na Escritura que Deus controla o curso de cada vida humana. Como poderia ser diferente? Deus controla todos os eventos naturais em seus mínimos detalhes, incluindo os aparentes eventos fortuitos. Ele controla a história das nações e da salvação humana. Contudo, estes governam uma grande extensão de eventos da nossa vida diária. Mas, se do contrário, Deus não controla um vasto número de vidas humanas individualmente, seria difícil imaginar como Ele conseguiria controlar os grandes desenvolvimentos da história.

Extraído de John M. Frame, The Doctrine of God, p. 59

quarta-feira, agosto 30, 2006

A inspiração e os escritores

Inspiração é aquela influência do imanente Espírito Santo que acompanha todo pensamento, e sentimento, e impulso, e ação do sacro escritor envolvido na função de escrever a palavra, e que dirige-lhe na seleção e elocução da verdade - que é, em sua concepção e em sua expressão verbal - de modo que a mente de Deus em premissas foi expressa com infalível acuricidade.

Extraído de A.A. Hodge, Evangelical Theology - Lectures on Doctrine, p. 78

sexta-feira, agosto 25, 2006

A Trindade e a nossa redenção

A doutrina da Trindade é o único modo pelo qual as nossas mentes humanas podem conceber a aplicação da expiação que Cristo fez pelos nossos pecados. Seria difícil para nós, sem esta doutrina, conceber o fato de que uma Pessoa que é "infinita, eterna e imutável em seu ser, sabedoria, poder, santidade, justiça, bondade e verdade", uma Pessoa que possuí todos os Seus essenciais atributos da Deidade, literalmente, tornando-se um membro de nossa raça na história; que uma Pessoa apresentou para a nossa raça humana o amor de Deus numa vida terrena; e que nós, a raça humana, pregamos-Lhe na cruz, pendurando-O ali, e ainda zombamos e ridicularizamos dEle; que literalmente, Ele tomou os nossos pecados no Seu corpo sobre o madeiro, que perdoava enquanto morria, onde merecíamos ser lançados para a punição eterna; literalmente, Ele foi ao lugar da morte, enquanto o Seu corpo desceu ao sepulcro; que, literalmente, Ele levantou da morte em Seu corpo ressurrecto, e que semelhantemente nós seremos em nossa ressurreição; Ele ascendeu para uma "terra distante a fim de receber o seu reino", e que Ele "retornará" (Lc19:12), e reinará em Seu reino - seria impossível para as nossas mentes compreender todos estes fatos, centralizados na obra expiatória de Cristo, exceto se o entendermos nos termos da Divina Trindade. "Pois, Deus [o Pai] amou o mundo de tal maneira que deu o Seu único Filho [a Segunda Pessoa da Trindade] para que todo aquele que nEle crê [através da convicção e capacitação do Espírito Santo, Jo 16:8; Ef 2:8] não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3:16).

Extraído de J. Oliver Buswell, Jr., A Systematic Theology of the Christian Religion, vol. I, p. 128

quinta-feira, agosto 24, 2006

Calvino e o Presbiterianismo

João Calvino ensinou que a forma de governo presbiteriana é a mais bíblica. Aqui os presbíteros (presbyteroi) têm que ser eleitos pela congregação, governar a igreja sob a liderança de Jesus Cristo (Institutas IV.3:1-16, Comentário de 1 Pedro 5:1-4; Atos 14:23). A Palavra de Deus reveste de autoridade apenas estes homens, que são dotados pelo seu Espírito para servir (Comentário de 1 Timóteo 2:11-3:16; Institutas IV.11:1).

A forma de governo presbiteriana, disse Calvino, foi fundada, à princípio, no Antigo Testamento (Êxodo18:13ss; Números 11:16ss). E, então ela foi usada pelos apóstolos no Novo Testamento (Institutas IV.3:1-16). Além disso, ela foi o governo bíblico usado na verdadeira igreja desde os dias dos apóstolos. Neste sistema de governo há uma série de tribunais: na nível local há o Conselho (ou Consistório); o seguinte é o Presbitério (ou Classe [neste nível "A Comunhão de Pastores de Genebra" que se reuniam regularmente e examinavam os candidatos ao ministério]); finalmente, há a Assembléia Geral ou Sínodo (o mais alto tribunal eclesiástico), que se reúne somente em ocasiões indeterminadas (Institutas IV.8:9; Comentário de Atos 15:6). De acordo com Calvino, que o Catolicismo Romano antes de se tornar corrompido era o bíblico presbiterianismo (Institutas IV.5-7).

Extraído de W.Gary Crampton, What Calvin Says, p. 96

O erro do Supralapsarianismo

Um dos principais motivos na estrutura do plano supralapsariano é o desejo de preservar o princípio particularista em todas as relações de Deus com os homens; não com respeito a salvação do homem somente, senão através de todo o curso da ação divina com respeito aos homens. Desde a criação, Deus vê os homens considerados como divididos em duas classes, os que recebem respectivamente o Seu imerecido favor, e os de Sua merecida reprovação. De acordo com isto, alguns supralapsiarianos colocam o decreto da discriminação primeiro na ordem de pensamento, precedente ao decreto da criação. Todos eles o colocam na ordem de pensamento precedente ao decreto da queda. É pertinente, portanto, enfatizar que a sua intenção de particularizar a relação total de Deus com os homens não está realmente realizado, e indubitavelmente não pode ser realizado pela natureza do caso. O decreto de criar ao homem, e mais particularmente o decreto de permitir ao homem cair no pecado, são necessidades universalísticas. Não somente alguns homens são criados, nem somente alguns homens são criados diferentes dos outros; senão que toda a humanidade está criada em sua primeira cabeça, e toda a humanidade está criada semelhantemente. Não se permite apenas a alguns homens cair; senão que todos os homens semelhantemente caem. O intento de colocar o particularismo fora da esfera do plano da salvação, onde o problema é diverso (porque somente alguns homens são salvos), na esfera da criação, ou da queda, onde o problema é comum (pois todos os homens são criados e todos são decaídos), fracassa por mera necessidade do caso. O particularismo pode entrar na questão somente onde os diversos argumentos demandam a postulação de diversas relações que objetivam a diferente fins. Não pode ser colocado na região das relações divinas com o homem anteriores à necessidade da salvação humana e das relações de Deus com ele com referência a uma salvação que não é comum a todos. O supralapsarianismo erra, em conseqüência, tão seriamente por uma lado, como o universalismo por outro. O infralapsarianismo oferece o único plano correto que é consistente por si mesmo, ou consistente com os fatos.

Extraído de B.B. Warfield, El Plan de la Salvación, pp. 20-21

quarta-feira, agosto 23, 2006

A nossa morada eterna

A nossa última e eterna morada não será o lugar onde os cristãos que estão mortos vivem atualmente com Cristo. A cidade dos santos, a Nova Jerusalém, a santa cidade cheia de rios e jardins, a cidade sem templo, porque ela toda é um templo; essa cidade é a que o apóstolo João descreve em Apocalipse 21:2. Ele disse que viu "descer do céu, da parte de Deus, um novo céu e uma nova terra." É em nosso atual mundo purificado e glorificado que viveremos para sempre com Cristo e caminharemos na sempiterna luz da glória do Cordeiro.

Extraído de Angus MacLeod, El fin del Mundo, pp. 18-19

terça-feira, agosto 22, 2006

O Espírito da oração

Se a nossa vida de oração é monótona e enfadonha, se é pesada, se sentimos que não estamos em contato com Deus, como se as nossas orações não chegassem a Ele, se não sabemos para que orar, se a oração não é um meio poderoso em nossa vida, então podemos recorrer ao Espírito da oração e pedir-lhe que venha a nossa vida, de forma mais plena, para ajudar-nos nesta debilidade. Se assim fizermos, com fé e esperança, Ele virá a nós e revolucionará a nossa vida de oração. Porque Ele é o secredo da oração, do mesmo modo que é o secredo de toda a vida santa. Sem Ele nada podemos fazer. Mas, com Ele podemos ser transformados e viver vidas que sejam expiritualmente ricas, ativas e alegres.

Extraído de Edwin H. Palmer, El Espíritu Santo, pp. 194-195

sábado, agosto 19, 2006

Um ofício em duas funções

A Escritura faz a distinção entre presbíteros regentes (1 Tm 3:4-5; 1 Tm 5:17) e presbíteros docentes (1 Pe 5:1). Todavia, isto não significa que um seja superior ao outro. Como estas passagens demonstram, não há uma distinção absoluta entre estes ofícios. Presbíteros regentes também devem ser capazes de ensinar (1 Tm 3:2), e presbíteros docentes “que se afadigam na palavra e no ensino” também governam (1 Tm 5:17).

Extraído de Ronald Hanko, Doctrine according to Godliness – A Primer of Reformed Doctrine, p. 240.

A razão da nossa fé

O inquiridor pergunta por uma razão, ou, como podemos dizer, ele pergunta pela lógica de nossa esperança; e precisamos estar preparados para dar a lógica e razão da nossa fé. Não somente conceder tal réplica, mas manter com santa dignidade e importância a mensagem cristã, e as perguntas que nos são feitas, tornando-as uma oportunidade que não podem ser desperdiçadas.

Extraído de Gordon H. Clark, Peter Speaks Today – A Devotional Commentary on First Peter, p. 118

segunda-feira, agosto 14, 2006

O propósito da Bíblia

A Bíblia é a Palavra de Deus - isto é a principal coisa a saber a seu respeito. Não podemos por nós mesmos encontrar a Deus. Ele se revela, e é confiável, em suas obras. "Os atributos invisíveis de Deus, assim como o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das cousas que foram criadas" (Rm 1:20). Mas, precisamos conhecer muito mais do que o seu "eterno poder e divindade". Somos pecadores, e necessitamos conhecer a sua bondade e os meios que Ele forneceu para salvar-nos. Este é o tema da Bíblia. A Bíblia nos revela o caminho da salvação. O caminho apresentado no Antigo Testamento; e, no Novo Testamento, na vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo, é realizado este maravilhoso plano. Não poderíamos descobrí-lo por nós mesmos. "Porque qual dos homens sabe as cousas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as cousas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus" (1 Co 2:11). Se vamos conhecer a Deus, Ele precisa falar-nos. Ele nos fala na Bíblia.

Extraído de J. Gresham Machen, The New Testament - An Introduction to its Literature and History, p. 16

Teologia Sistemática e Bíblica

A Teologia Bíblica ocupa uma posição entre a Exesege e a Sistemática na enciclopédia das disciplinas teológicas. Ela difere da Teologia Sistemática, não porque seja mais bíblica, ou por aderir mais estritamente as verdades da Escritura, mas em que o seu princípio de organizar o material bíblico é mais histórico do que lógico. Considerando que a Teologia Sistemática usa a Bíblia como um todo completo e empenha-se em exibir o seu completo ensino numa forma ordenada e sistemática, a Teologia Bíblica divide os assuntos a partir da perspectiva histórica, buscando demonstrar o crescimento orgânico ou desenvolvimento das verdades da Revelação Especial da primitiva Revelação Especial pré-redentiva entregue no Éden até o fechamento do cânon do Novo Testamento.

Extraído de Geerhardus Vos, Biblical Theology, p. v-vi

sábado, agosto 12, 2006

As duas naturezas de Cristo

Nos versículos iniciais da maior de suas epístolas o apóstolo Paulo apresenta-nos os dois lados do ser do nosso Senhor com perfis claros para a nossa compreensão. Reduzido a seus termos inferiores, o que nos diz aqui é que por um lado de seu ser, o nosso Senhor era o "Filho de Davi", e pelo outro lado era o "Filho de Deus". Estes dois lados do ser os chama respectivamente de "segundo a carne" e "segundo o Espírito de santidade" que pode ser parafraseado de modo breve, respectivamente, como o humano e o divino. Mas, não nos permite que concluamos que estes dois lados do ser de nosso Senhor eram igualmente originais nEle. Pelo contrário, nos declara que o lado humano tinha um começo histórico, enquanto que o divino conhecia somente um estabelecimento histórico: o nosso Senhor feito - veio a ser (genómenos) - da semente de Davi, segundo a carne; foi "designado" - marcado como (horisthéntos) - o "Filho de Deus" pela ressurreição dos mortos. Fazendo-se homem, trouxe a vida e a imortalidade à luz, e deste modo se mostrou mais do que homem, e não menos do que o "Filho de Deus". A exaltação humana mais elevada é a messianidade, mas a sua messianidade era o lado inferior da sua majestade. Para que pudesse ser o Messias teve que descer do seu estado prévio de glória divina. Assim claramente o apóstolo apresenta o nosso Senhor como essencialmente o "Filho de Deus", e esta filiação de Deus como essencialmente consubstancial com Deus.

Extraído de B.B. Warfield, El Señor de la Glória, pp. 246-247

sexta-feira, agosto 11, 2006

É impossível definir o incompreensível Deus

Qualquer definição ou descrição de Deus que falhe em considerar esta incompreensibilidade de Deus poderia destruir a verdadeira idéia de Deus. O que não pode ser comparado, também não pode ser definido. Nem é possível encontrar o genus [do latim: qualidade] de tão boa definição do próprio Deus.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, vol. 1, p. 71

O dever de sistematizar as verdades de Deus

Deus certamente vê a verdade como um todo, e é o dever do teólogo pensar as verdades de Deus segundo a mente divina. Deve existir um constante esforço para considerar a verdade como Deus a vê, ainda que seja perfeitamente evidente que o ideal esteja além do domínio do homem em sua presente condição.

Extraído de Louis Berkhof, Introdución a la Teología Sistemática, p. 1

As palavras são o que são na Palavra de Deus

A concepção ortodoxa da inspiração também declara que a revelação bíblica é proposicional em natureza; ela ensina uma verdade proposicional. Proposições são lógicas, com importantes combinações de palavras que declaram alguma coisa. Elas possuem o significado das sentenças declaradas. A verdade da Escritura não está "em meio", "acima", ou "além" das palavras, ou somente na mente do intérprete. Nem estão as palavras secretamente simbolizadas, insinuando alguma verdade mais "elevada" ou "profunda". Pelo contrário, a verdade de Deus repousa no significado lógico e organização que as palavras possuem. Nem numerologistas, nem poetas, nem aqueles que vêem códigos acrósticos na Escritura que compreende a Escritura. A verdade de Deus vem via o nosso entendimento das proposições da Escrituras conforme as regras ordinárias da gramática e da lógica (que estão presentes na Escritura). Por isso, a Bíblia não contém paradoxos lógicos.

Extraído de W. Gary Crampton, By Scrypture Alone, p. 78

Cristianismo é uma cosmovisão

O Cristianismo é uma religião, histórica em sua origem, e que pretende repousar na revelação divina. Mas, ainda que não seja um sistema científico, nem uma filosofia, contudo, tem uma cosmovisão própria, a qual se mantém aderida firmemente, tanto no que se refere ao seu postulado fundamental de um Deus pessoal, santo e que se revela, como pelo seu conteúdo como uma religião da Redenção.

Extraído de James Orr, Concepción Cristiana de Dios e el Mundo, p. 14

quinta-feira, agosto 10, 2006

General Thomas J. "Stonewall" Jackson


"As minhas convicções religiosas ensinam-me a sentir-me tão seguro na batalha como em minha cama. Deus fixou o tempo da minha morte. Não me preocupo comigo além do que preciso, mas sempre estou pronto para tudo o que possa acontecer-me. Esta é a maneira como todos os homens deveriam viver, e todos seriam igualmente bravos."

Nota do tradutor: o general Thomas J. "Stonewall" Jackson morreu por um disparo acidental de um soldado de sua própria tropa em 1863, durante a trágica Guerra Civil Americana. Foi enterrado na Igreja Presbiteriana em Lexington, no estado da Vírginia. A biografia do general foi escrita pelo teólogo presbiteriano Robert L. Dabney num livro com o título de Life and Campaigns of Lt. General Thomas J. Jackson.

O "reigrejar" do Pentecostes

Com o derramamento do Espírito, o qahal, o povo de Deus consolidado no Antigo Testamento, chegou a ser a ekklesia, o corpo de crentes constituído pelos “chamados de fora” no Novo Testamento. Esta transição histórica, redentora, reflete tanto a continuidade como descontinuidade com o passado.

No Pentecostes a igreja não nasceu, senão que renasceu. Teve lugar à atualização. A humanidade renovada estava amadurecendo. Todavia, a história da igreja como povo de Deus retrocede ao passado, ao começo, ao chamado daquela primeira comunidade humana de “passear com Deus na viração do dia”, e de ser seus mordomos no meio da criação. Como resultado da queda, como imagem de Deus nos “desigrejamos”. Então Deus interveio com a sua graça para “reigrejar” a humanidade caída por meio da linhagem dos crentes Sete, Enoque, e Noé. Com o chamado de Abraão começou a existir a fase da igreja do Antigo Testamento, como um povo escolhido para preparar o cominho do Messias que viria. Por isso, Israel é a oliveira original de Deus. Mesmo que algumas de suas ramas tenham se perdido, a raiz ainda vive. Nessa raiz recebe a vida (Rm 11:17-21).

Com o Pentecostes os gentios compartilham das riquezas do “bem comum de Israel”. Porque Cristo derrubou “o muro da separação da inimizade” entre judeus e gentios, criando assim “uma nova humanidade no lugar de duas”. Agora, todos têm “acesso no Espírito ao Pai, e são “membros da família de Deus”, um “templo santo no Senhor”. Esta grande reunião se baseia em fundamentos lançados no testemunho conjunto dos apóstolos e dos profetas (Ef 2:11-22). Por isso, Estevão podia falar da presença de Cristo “na igreja no deserto” (At 7:38). Esta igreja do deserto bebeu da “Rocha espiritual... e a Rocha era Cristo” (1 Co 10:4).

Extraído de Gordon J. Spykman, Teologia Reformacional - un nuevo paradigma para hacer la dogmática, p. 468

terça-feira, agosto 08, 2006

Toda a Escritura é inerrante

Aqueles que negam a inerrância dos autógrafos originais da Escritura, e se esforçam em introduzir esta concepção da Crítica Bíblica, reivindicam a base nos padrões de Westminster. Nós propomos apresentar que a Confissão de Westminster ensina que as Escrituras em sua primeira forma, assim como procederam dos profetas e apóstolos, foram livres de erros em todas as suas partes, tanto segundárias como primárias.

Extraído de William G.T. Shedd, Calvinism: Pure & Mixed, p. 132

O verdadeiro arrependimento

O arrependimento não é mera tristeza pelo pecado, nem é um mero remorso. É uma tristeza divina que inclui um elemento de ódio pelo pecado e uma determinação em abandoná-lo e viver uma vida santa.

Extraído de D.Martyn Lloyd-Jones, Por qué lo permite Dios?, p. 17

Falar em línguas é sinal da sã espiritualidade?

É muito difícil defender que o falar em línguas do modo como hoje prevalece seja um sinal de espiritualidade cristã quando, segundo muitos observadores, o mesmo fenômeno pode ser encontrado entre as religiões não cristãs tais como a religião muçulmana. O mesmo problema está inerente na incidência do falar em línguas entre os católicos romanos da Renovação Carismática. Não vamos por causa da indisposição negar que muitos católicos romanos são devotos, ainda que sejam cristãos mal orientados, mas é difícil crer que qualquer um que desfrute de uma grande medida da plenitude do Espírito possa ter pouco entendimento da Bíblia, e tão pouca compreensão da experiência da salvação, que possibilite a adoração de imagens, render homenagem à virgem Maria, e distanciar-se (mediante um anátema) da doutrina de Lutero acerca da justificação.

Extraído de Donald MacLeod, El Bautismo con el Espíritu Santo, p. 60.

segunda-feira, agosto 07, 2006

O que é oração?

Orar é derramar o coração, ou a alma, de modo sincero, consciente e afetuoso; derramando diante de Deus, por meio de Cristo, no poder do Espírito Santo, buscando as coisas que Deus prometeu, ou que estão em conformidade com a Sua Palavra, para o bem da Igreja, com fiel submissão à vontade de Deus.

Extraído de John Bunyan, La Oración, p. 5.

A cessação dos dons sobrenaturais

Assim como houveram ofícios extraordinários (apóstolos e profetas) no começo da nossa dispensação, também houveram dons extraordinários; e como não houveram sucessores designados para estes ofícios extraordinários, muito menos houve a intenção de continuar esses dons extraordinários. Os dons dependiam dos ofícios. Não temos mais os apóstolos conosco, e conseqüentemente, também não possuímos mais os dons sobrenaturais, a comunicação dos quais constituiram parte essencial dos sinais de um apóstolo estão ausentes (2 Co 12:12).

Extraído de A.W. Pink, The Holy Spirit, p. 179.

Dons revelacionais cessaram com os apóstolos

Estes dons [revelacionais] não foram possuídos pelo cristão da Igreja primitiva como tal, nem pela Igreja apostólica ou o período Apostólico por si mesmo; tais dons foram distintivamente a autenticação dos apóstolos. Constituiram parte das credenciais dos apóstolos em sua qualidade de agentes autorizados por Deus no estabelecimento do fundamento da Igreja. A sua função, pois, os delimitou à Igreja apostólica, de maneira distintiva, e necessariamente desapareceriam com ela.

Extraído de B.B. Warfield, Counterfeit Miracles, p. 6.

A tentação transformada em benção

A tentação opera para o bem [dos eleitos] ao reduzir o inchaço produzido pelo orgulho. "Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar" (2 Co 12:7). O espinho na carne tinha o objetivo de esvaziar o envaidecer do orgulho. É melhor a tentação que me humilha do que o dever que me ensoberbece. Antes de permitir que um cristão seja altivo, Deus lhe deixará cair nas mãos do diabo, por um tempo, para que se cure do seu abscesso.

Extraído de Thomas Watson, Consolación Divina, p. 37.

sábado, agosto 05, 2006

Deus sabe o que Ele determina

A única maneira de que algum objeto ter ocorrido na mente de Deus do meramente possível ao inevitavelmente certo, é se o próprio Deus houvesse determinado levar a cabo, ou que houvesse permitido de maneira intencional e deliberada por meio de outro agente que expressamente houvesse criado para tal propósito. Um efeito concebido potencialmente somente ocorre mediante uma ou mais causas eficientes. Quando Deus contempla todo o universo, da perspectiva de sua presciência infinita, somente havia uma causa, ou seja, Ele mesmo; portanto, se alguma outra causa surgir, tal causa subordinada teria a Deus como causa fundamental. Se a presciência infinita de Deus encerra em si efeitos que serão produzidos por estas causas subordinadas, então, Deus ao decretar tais causas, em Sua infinita presciência, decretou ou determinou igualmente todos os demais efeitos.

Extraído de Robert L. Dabney, Lectures in Systematic Theology, p. 212

Deus não mente

Deus também conhece o que é impossível. Desde que Ele conhece a si mesmo, ele sabe que não pode mentir. Esta "inabilidade" não é um limite da sua onipotência; ela simplesmente significa que tudo quanto Deus declara é ipso facto verdadeiro. Ao dizer que Deus pode mentir é um entendimento errôneo da natureza de Deus, como dizer que um triângulo tem apenas dois lados é um entendimento errôneo da natureza do que é um triângulo.

Extraído de Gordon H. Clark, Predestination, p. 41

sexta-feira, agosto 04, 2006

O desenvolvimento do decreto

Na infinita sabedoria do Senhor de toda a terra, cada evento acontece precisamente no lugar que lhe corresponde no desenvolvimento do plano eterno; coisa alguma, não importa quão pequena, nem tão estranha seja, ocorre em sua ordem, ou em sua adaptação particular do lugar que lhe corresponda no desenvolvimento dos seus propósitos; e o fim de tudo será a manifestação da Sua glória. Esta é a filosofia do universo que apresenta não apenas o Antigo, mas também o Novo Testamento - uma perspectiva universal que apresenta uniformidade concreta no absoluto decreto, o propósito, o plano, do qual tudo o que acontece não é senão o seu desenvolvimento no tempo.

Extraído de B.B. Warfield, Biblical Doctrines, p. 22.

quinta-feira, agosto 03, 2006

Quão discutida é a predestinação!

O exame sério desta grande doutrina [da predestinação] nos conduzirá aos mais profundos e inacessíveis temas que possam ocupar a mente dos homens - a natureza e os atributos, os propósitos e operações do infinito e incompreensível Jeováh - vistos de maneira especial em suas relações com o destino eterno de suas criaturas inteligentes. A natureza peculiar do tema exige, e com razão, que sempre nos aproximemos e o consideremos com a mais profunda humildade, cautela e reverência, já que isto trata, por um lado, de um tema tão terrível e assustador como é o da miséria eterna de uma multidão incalculável de nossos semelhantes. Muitos têm discutidos o tema neste espírito, mas também há outros que se dão à especulação presunçosa e irreverente. É possível, que não exista outro tema que tenha chamado mais atenção dos homens em todas as épocas. Tal tema é discutido as suas implicações em todas as suas relações, tanto filosóficas, teológicas e práticas; e se há algum tema de especulação com relação ao qual nos for lícito dizer que tenha sido esgotado, é este.

Extraído de William Cunningham, Historical Theological, vol. II, p. 418.

O que é lícito?

Qualquer coisa deve ser considerada como indiferente até que se prove ser pecaminosa, não o contrário. Um homem é considerado inocente até que se prove a sua culpabilidade. Não há nada mais falso e perigoso do que as idéias de alguns mestres religiosos, de que um assunto deve ser tomado como pecaminoso a menos que se prove que é indiferente. Quando existe a dúvida acerca da matéria, ou assunto, como sendo ou não pecaminoso em si, deverá deixar-se decidir a consciência individual. Se o ensino das Escrituras acerca de um assunto particular aparece duvidoso ou obscuro, e ainda quando tenha aparência de contraditório, será o melhor motivo para que as igrejas não se pronunciem com autoridade sobre tal matéria, ou assunto. O que Deus não revelou com clareza não tratem as igrejas de determiná-lo, Deus nos livre de intentar ter uma norma mais clara do que a Bíblia, ou um número mais completo d eleis morais do que as que contêm a Palavra de Deus.

Extraído de Johannes G. Vos, The Separate Life, p. 18.

A doutrina e prática cristã

O alicerce da prática cristã deverá estar baseado no conhecimento e na fé cristã. Devemos compreender, em primeiro lugar, como recebemos a Cristo Jesus, e assim saberemos, em segundo lugar, como andar melhor com Ele.

Extraído de Matthew Henry, Commentary on the Whole Bible, vol. VI, p. 454.

Uma obra completa

Os sentimentos do crente, vistos em Cristo, como se descrevem ao final deste capítulo (Rm 8:31-39), oferecem um notável contraste com o que se diz ao final do capítulo anterior, onde se vê o crente em suas próprias forças. Examinando-se como realmente é, um pecador, o crente exclama gemendo: "miserável homem que sou!" Mas, observando-se justificado em Cristo, o crente ousa perguntar: "quem me acusa?", "quem me condena?" A pessoa que ama a Deus pode desafiar todo o universo que lhe separe do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, seu Senhor. Apesar de que, no presente toda a criação geme e a um só tempo, geme dores de parto, apesar do próprio crente gemer dentro de si, apesar disto, todas as coisas cooperam para o bem. O Espírito Santo está intercedendo por ele, em seu próprio coração; Jesus Cristo está intercedendo por ele diante do trono de Deus; o Deus Pai lhe escolheu na eternidade, lhe chamou, lhe justificou e finalmente lhe coroou com glória. O apóstolo Paulo deu início a este capítulo declarando que não há condenação para os que estão em Cristo Jesus; e o que se conclui com a segurança triunfante de que não há separação possível entre o crente e o amor de Deus. A salvação do crente é completa em Cristo, e sua união com Ele é indissolúvel.

Extraído Robert Haldane, Exposition of the Epistle to the Romans, p. 438.

A segurança do crente

Aqui [Rm 8:1-39] se vê que a salvação daqueles que renunciaram a lei, e aceitaram a misericordiosa oferta do Evangelho, é absolutamente certa. Todo o capítulo é uma série de argumentos maravilhosamente estabelecidos para provar esta segurança. Cada um deles está traçado e dirigido para uma fonte de esperança e segurança, o imerecido e imutável amor de Deus em Cristo Jesus. A declaração está contida no primeiro versículo: "agora, pois, não há mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus." Estes nunca serão condenados, nem perecerão.

Extraído Charles Hodge, Commentary on the Romans, p. 247.

quarta-feira, agosto 02, 2006

A inspiração da Escritura

Os escritores sacros foram movidos e inspirados pelo Espírito Santo, envolvendo tanto os pensamentos, como a linguagem, e que eles foram preservados livres de todo erro, fazendo com que os seus escritos sejam inteiramente autênticos e divino.

Francis Turrentin citado em W.G.T. Shedd, Dogmatic Theology (1888), vol. 1, 72.

A inspiração dos livros canônicos

O registro dos livros canônicos vieram à existência pela especial e direta atividade do Espírito Santo, que impulsionou os autores a escrever, dando-lhes os pensamentos e as palavras que eles deveriam registrar, e preservando-lhes de algum erro em seus escritos. Em outras palavras, os escritos canônicos são em conteúdo e em forma inspirados em seus autores pelo Espírito Santo.

Extraído de Heinrich Heppe, Reformed Dogmatics (1861), p. 16.

terça-feira, agosto 01, 2006

Cristo nos livra do pecado

Se um homem não se identifica com o propósito de Cristo de destruir o pecado, e se em lugar de dor e aborrecimento contra o mal, acaricia a idéia de que pode continuiar pecando para que a graça abunde, a conclusão inevitável é que este homem não conhece a Cristo, e não foi justificado. Mais claramente dizendo: é psicologicamente impossível confiar no sangue redentor de Cristo e desejar continuar vivendo no pecado. A santificação não é meramente o propósito da justificação, como se o propósito pudesse resultar falido, mas é o seu resultado inevitável.

Extraído de Gordon H. Clark, "Romans" The Biblical Expositor, p. 248.

Punição terrível

Com freqüência, Deus castiga um pecado abandonando o pecador a cometer outros. Paulo repete esta idéia três vezes, nos versos 24, 26 e 28. Este abandono judicial está em conformidade, e não é incompatível com a santidade de Deus e a livre agência do homem. Deus não incita ao mal, muito menos o refreia. Referindo-se ao pecador, Deus diz: "deixemos-no entregue a si mesmo" (vs. 24-28).

Extraído de Charles Hodge, Commentary on the Romans, p. 45.