sexta-feira, dezembro 22, 2006

A mensagem básica das Escrituras

A mensagem básica da Bíblia também provê evidência para convencer-nos de que os autores escreveram não os próprios pensamentos, mas os pensamentos de Deus. Qual é a mensagem central da Bíblia? Ela é a narração da completa ruína em pecado, da sua incapacidade de se salvar, e do poder de Deus em salvá-lo apenas pela graça. Esta é uma humilhante mensagem que a mente humana naturalmente não poderia pensar. Quando entregue a si mesmo, o homem sempre inventou outra espécie de religião. Todas as religiões de origem humana ensinam que o homem não é completamente pecaminoso que ele pode, de algum modo, salvar a si mesmo. A Bíblia ensina que o homem está morto em pecado, incapaz de salvar a si mesmo, e que somente pode ser salvo pela graça de Deus. Isto é contrário ao orgulhoso pensamento do homem natural. Não admitimos naturalmente a nossa humilhação, as falhas e incapacidade. Ao ensinar acerca do nosso pecado e necessidade de salvação, está evidenciado que os autores da Bíblia não estavam sob o controle de seus próprios espíritos, mas sob o Espírito Santo de Deus (2 Pedro 1:21).

Extraído de Calvin Knox Cummings, Confessing Christ, p. 15.

terça-feira, dezembro 05, 2006

A sabedoria e conhecimento de Deus

A sabedoria e o conhecimento estão enraizadas em diferentes capacidades da alma. A fonte do conhecimento é o estudo; da sabedoria, o discernimento. O conhecimento é discursivo; a sabedoria é intuitiva. O conhecimento é teórico; a sabedoria é prática e teleológica; ela faz o conhecimento servir para uma finalidade. O conhecimento é um assunto da mente aparte da vontade; a sabedoria é um assunto da mente que a torna subserviente à vontade. O conhecimento é muitas vezes impraticável; i.é., não se adapta as atividades comuns da vida, enquanto que a sabedoria é adaptada para se viver; ela é ética em caráter; ela é a arte de se viver com propriedade; ela caracteriza o homem que corretamente utiliza o seu maior acúmulo de conhecimento, e que escolhe a melhor finalidade e os melhores meios para enriquecer àquele fim.

Extraído de Herman Bavink, The Doctrine of God, p. 195-196.

terça-feira, novembro 21, 2006

Santidade progressiva

Apesar de seu estado de santificado, o cristão verdadeiro ainda não alcançou uma condição completamente santificada. Deverá continuar esforçando-se pela santidade e piedade (Hb 12:14). O crescimento na santidade virá após a regeneração (Ef 1:4; Fp 3:12). Paulo ora para que os tessalonicenses sejam completamente santificados, como algo que ainda está por realizar-se.

Querido crente, a santificação é algo que você tem em Cristo, diante de Deus, pelo qual deve se esforçar com o poder de Deus. O seu estado de santidade foi outorgado; mas, a sua condição de santidade deve ser alcançada. Por meio de Cristo você é santificado em sua condição diante de Deus, e por meio de Cristo está chamado a refletir esta condição sendo santo em sua vida diária. Pela graça foi chamado para ser na vida real o que já é por princípio.

Extraído Joel R. Beeke, La Santidad, p. 11

sexta-feira, outubro 27, 2006

O método da Teologia Sistemática

O estudo metodológico da Bíblia que analisa a Escritura Sagrada como uma completa revelação, em distinção das disciplinas de Teologia do Antigo Testamento, Teologia do Novo Testamento e Teologia Bíblica, as quais se aproximam das Escrituras como uma revelação progressiva. Deste modo, o teólogo sistemático analisa as Escrituras como uma revelação completa, buscando entender holisticamente o plano, propósito e a intenção didática da mente divina revelada na Sagrada Escritura, e organizar este plano, propósito e intenção didática de modo ordenado e apresentação coerente como artigos da fé cristã.

Extraído de Robert L. Reymond, A New Systematic Theology of the Christian Faith, p. xxv-xxvi

A natureza da Teologia Sistemática

É aquela disciplina teológica em que o dogmático, numa relação orgânica com a igreja do passado, bem como do presente, propõe esclarecer das Escrituras o verdadeiro conhecimento de Deus, ao confirmar em alguma forma sistemática, e depois comparar os dogmas existentes com a Escritura, conduzindo o conhecimento de Deus ao mais alto estado de desenvolvimento.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, vol. 1, p. 6

O que é dogmática?

A dogmática é a descrição sistemática dos conteúdos e correlação mútua das verdades (dogmata) reveladas na Palavra de Deus.

Extraído de G.H. Kersten, Reformed Dogmatics, vol. 1, p. xiii

sábado, outubro 21, 2006

O testemunho do milagre

Não que nos milagres se revele um poder maior que o que se encontra no curso ordinário das coisas. Todas as coisas que Deus trás à existência é obra de sua singular onipotência. Mas, nos milagres Deus usa outro caminho que se esperava dele, conforme o curso normal dos acontecimentos. Na Escritura muitas vezes, se pode discernir esta “outra maneira” da obra de Deus, e assim oferece o fundamento do caráter testemunhal dos milagres. Desse modo, se explica a origem do assombro.

Extraído de G.C. Berkouwer, The Providence of God, p. 231

Entendimento acerca do milagre

Temo que uma quantidade de cristãos contemporâneos, com seu conceito de milagres como sendo atos sobrenaturais, e com seu conhecimento da medicina e psicologia atual, duvidariam do caráter miraculoso das curas relatadas nas Escrituras se as mesmas ocorressem na Europa de hoje... [porque] o sobrenatural sempre foi, é, e sempre será, um asylum ignorantiae em que alguém pode classificar tudo e cada coisa que não se pode explicar. (...) [por isso] estou convencido que de modo algum é necessário estabelecer intervenções sobrenaturais como uma explicação dos milagres que as Escrituras relatam. Todos que usam o sobrenatural como uma explicação, se privam do discernimento que poderiam alcançar enquanto a verdadeira natureza desses acontecimentos.

Extraído de J.H. Diemer, Nature and Miracle, pp. 21-23

A natureza do milagre

Um milagre não é sinal de que um Deus, normalmente ausente, se faz momentaneamente presente, ... [mas], é um sinal de que Deus, por um momento e com um propósito especial, está transitando por caminhos que normalmente não transita, ...um sinal de que Deus, sempre presente em poder criador, está operando aqui e agora, de uma maneira que não é familiar.

Extraído de Lewis Smedes, Ministry and the Miracle, pp. 48-49

A falsa distinção no milagre

A partir da Palavra de Deus, é evidente que todas as obras de Deus são miraculosas, porque as obras de Deus são maravilhosas. Por esta razão a questão não é se algo é natural ou sobrenatural - o que muitas vezes tem se discutido em relação a idéia de milagre - é irrelevante e está baseado sobre uma errônea noção da relação entre Deus e o mundo. Este debate não pertence propriamente a Teologia Reformada, mas, ela é na realidade uma noção deística. Qualquer um que crê na concepção reformada da providência de Deus, certamente entenderá e confessará que a distinção entre natural e sobrenatural é falsa. As coisas ou eventos que chamamos de naturais são sempre obras de Deus, manifestações do onipresente poder de Deus que sustenta e governa todas as coisas. A natureza nada realiza por si mesma.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, p. 343

segunda-feira, outubro 16, 2006

Semente do relativismo doutrinário

Todos devem estar cientes de que há nos dias de hoje um grande preconceito contra doutrina – ou, como é muitas vezes chamada – “dogma” – na religião; uma grande desconfiança e aversão ao pensamento claro e sistemático a respeito de coisas divinas. Os homens preferem, não se pode deixar de notar, viver numa religião de nebulosidade e indefinição com relação a esses assuntos. Querem que o seu pensamento seja fluido e indefinido – algo que possa ser mudado com os tempos, e com as novas luzes que eles acham estarem constantemente aparecendo para iluminá-los, continuamente adquirindo novas formas e deixando o que é velho para trás.

Extraído de James Orr, Sidelights on Christian Doctrine, p. 3

sexta-feira, outubro 13, 2006

O padrão ético

A ética está em conformidade com certos padrões, princípios e leis. Ela pressupõe e tacitamente assume que existe um padrão, uma lei acima de um ser ético, e que este ser ético está obrigado a ser e agir em conformidade com este padrão.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, vol.1, p. 132.

O ideal ético

O ideal ético, se quiser assegurar o seu caráter absoluto, indica para uma base eterna no Ser absoluto. Levando-nos para a concepção de Deus como um ser eticamente perfeito, fonte e origem da verdade moral, fonte da lei moral, que como vimos está comprometida com o Cristianismo.

Extraído de James Orr, Concepción Cristiana de Dios y el Mundo, p. 139.

Fonte da ética

A ética secular, assim como a epistemologia secular, procura encontrar um absoluto em qualquer lugar que não seja na Palavra de Deus. Portanto, ela busca um padrão ético nos mais prováveis lugares: no subjetivismo humano (existencialismo), no mundo empírico (teleologia), na lógica, ou na razão (deontologia).

Extraído de John M. Frame, The Doctrine of God, p. 194.

Exemplo ético

Se Jesus deu-nos um exemplo que devemos seguir os seus passos, e, se a ética cristã é deste modo definida, então a maior necessidade característica do modo de vida e conduta cristã é obedecer aos mandamentos de Deus.

Extraído de John Murray, The Claims of Truth in: Collected Writings of John Murray, vol. 1, p. 181

quarta-feira, outubro 04, 2006

O poder transformador das Escrituras

Elas têm mudado seus corações. Alguns por lerem as Escrituras têm se tornado outras pessoas; tem sido feitos santos e graciosos. Por lerem outros livros o coração é inflamado, mas por lerem as escrituras ele é transformado. 2. Co. 3:3. “Estando já manifestos como cartas de Cristo, produzida pelo vosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito do Deus vivente”. A Palavra foi escrita dentro de seus corações, e elas são provenientes da carta de Cristo, de tal modo que outros podem ler Cristo neles. Se você colocar um selo sobre a escultura, e colocar um carimbo nele, haverá uma notável virtude neste selo; então quando o selo da Palavra tem um carimbo da graça celestial, há necessidade de haver um poder agindo com a Palavra, não menos que divino. Isto conforta seus corações. Quantos cristãos têm passado por rios de lágrimas, a Palavra tem gotejado como mel, e docemente revive-os. O principal conforto do cristão é extrair as fontes de salvação. Rm. 15:4. “é pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança”. Quando a pobre alma está pronta para a morte, não há nada para confortá-la senão o estímulo das Escrituras. Quando está doente a Palavra revitaliza-o 2 Co.4:17. “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória”. Quando está deserta a Palavra pinga-nos o óleo dourado da alegria. Lm. 3:31. “O Senhor não rejeitará para sempre”. Ele modifica sua providência, não seu propósito; ele tem os olhos de um inimigo, mas o coração de um pai. Assim a Palavra tem o poder de confortar o coração. Sl.119:50 “O que me consola na minha angústia é isto, que a tua Palavra me vivifica”. Como vida é transmitida pelas artérias do corpo, assim os confortos divinos são transmitidos através das promessas da Palavra. Agora as Escrituras tem esta alegria, o poder de confortar o coração deles, mostra claramente que eles são de Deus, e que foi ele que colocou o leite da consolação em seus seios.

Extraído de Thomas Watson, A Body of Divinity, p. 29.

Tarefa de supervisão dos presbíteros

É na igreja que a supervisão é exercida. Existe aqui uma sutil e necessária distinção. Enquanto a supervisão é sobre a igreja, ela não está acima de algo da qual os presbíteros se isentam. Os presbíteros não são senhores sobre a herança do Senhor; eles mesmos fazem parte do rebanho e devem ser exemplos para ele. A Escritura tem um modo singular de enfatizar a unidade e diversidade, e neste caso, a diversidade que reside no exercício do governo é mantida na mesma proporção em que lembramos que os presbíteros também são sujeitos ao governo que eles exercem sobre outros. Presbíteros são membros do corpo de Cristo e estão sujeitos à mesma espécie de governo da qual eles são administradores.

Extraído de John Murray, Collected Writings: The Claims of Truth, vol.1, p. 262.

Deveres dos presbíteros docentes

Um dos seus mais solenes deveres é vigiar a vida e o trabalho do pastor. Se o pastor não leva uma vida exemplar os presbíteros regentes da igreja devem chamar-lhe a atenção, e corrigi-lo. Se não é tão diligente em sua obra pastoral como deveria sê-lo, devem estimulá-lo para que tenha maior zelo. Se a falta de paixão que deve caracterizar a pregação da Palavra de Deus, os presbíteros regentes devem dar os passos necessários para ajudá-lo a superar tal defeito. E, se a pregação do pastor, em qualquer assunto de maior ou menor importância, não está de acordo com a Escritura, os presbíteros não devem descansar até que o mal tenha sido resolvido.

Extraído de R.B. Kuiper, El Cuerpo Glorioso de Cristo, p. 132.

Onisciência divina e oração

Deus previu as nossas orações antes da fundação do mundo. Ele preparou a resposta as nossas orações em toda a estrutura do universo. Ele sabia que oraríamos, e que oraríamos numa maneira espontânea como um filho clama a seu pai. Deus colocou o universo sobre um princípio de relacionamentos pessoais em que Ele responde a oração, e podemos, em um sentido, entender Sua amorosa provisão somente com base na Sua onisciência.

Extraído de J.O. Buswell, A Systematic Theology of the Christian Religion, vol. 1, p. 61

sexta-feira, setembro 29, 2006

A preservação secreta do Espírito Santo

A razão de não sucumbirmos, mesmo entre os severos conflitos, nada mais é que, recebemos o cuidado do Espírito Santo. Realmente, Ele nem sempre põe sobre nós o seu poder de um modo evidente e notável, (pois Ele nos aperfeiçoa em nossa fraqueza), mas é suficiente que Ele nos socorra, ainda que sejamos ignorantes e inconscientes disto, que Ele nos sustenta quando nos humilhamos, e ainda nos levanta quando caímos.

Extraído de John Calvin, in loci: Sl 73:23, The Works of John Calvin, in: Ages Digital Library

Perseverança final

De fato, vemos que sob o Papado uma diabólica opinião prevalece, que somos obrigados a duvidar de nossa perseverança final, pois somos incertos de que se poderemos estar amanhã em algum estado de graça. Mas, Pedro não nos conduz em suspense, pois ele testifica que somos mantidos pelo poder de Deus, a fim de que nenhuma dúvida surja de uma consciência de nossa própria fraqueza, que pudesse inquietar-nos. Por mais fracos que possamos ser, nossa salvação não é incerta, pois ela é sustentada pelo poder de Deus. Assim, somos iniciados pela fé, e a própria fé recebe a sua estabilidade do poder de Deus. Conseqüentemente é sua segurança, não apenas para o presente, mas também para o futuro.

Extraído de John Calvin, in loci, The Works of John Calvin.in: Ages Digital Library

A falha na Apologética de Cornelius Van Til

Uma das fraquezas nos próprios escritos de Van Til é a ausência de argumentos específicos. Van Til afirma que há um “argumento absolutamente seguro” para o Cristianismo, mas raramente ele produz um exemplo, com exceção na demonstração do esboço. Estou bem menos inclinado a reivindicar um “argumento absolutamente seguro” por motivos que apresentarei. Mas este livro inclui alguns exemplos específicos de raciocínio que o leitor está livre para criticar ou emular.

Extraído de John M. Frame, Apologetics to the Glory of God, p. xii

sábado, setembro 23, 2006

Abraham Kuyper

Abraham Kuyper foi o primeiro que entendeu a soberania das esferas novamente como um princípio criacional e por onde fundamentalmente separado da perspectiva historicista da sociedade humana. Em sua formulação inicial desta idéia, todavia, se encontravam traços de uma confusão entre soberania das esferas com a autonomia municipal e provincial fundada na história holandesa. Quando classificou as várias esferas soberanas inclui as municipalidades e provinciais com a família, a escola, a ciência, a arte, a empresa econômica e assim consecutivamente. As municipalidades e as provinciais, todavia, não são esferas soberanas, senão verdadeiramente parte "autônomas" do Estado, e os limites de sua autonomia são independentes dos requerimentos da totalidade, as necessidades do bem comum. A autonomia é autoridade delegada a uma parte pelo todo.

Extraído de Herman Dooyerweerd, Las Raíces de la Cultura Occidental, p. 55

sexta-feira, setembro 22, 2006

O que é o coração?

O coração representa o centro unificador de toda a existência do homem, o ponto de concentração espiritual de todo o nosso ser, o aspecto interior reflexivo que estabelece a direção a todas as relações da nossa vida. É a vertente de todos os nossos desejos, pensamentos, sentimentos, do nosso agir, e de toda expressão da vida. É a fonte principal da que flui todo o movimento do intelecto do homem, das suas emoções e da sua vontade, como também toda "faculdade", ou modo da nossa existência. Em resumo, o coração é o mini-eu. O que possui o meu coração, me possui totalmente.

Extraído de Gordon J. Spykman, Teologia Reformacional, p. 242

segunda-feira, setembro 18, 2006

Toda doutrina é em propósito essencial

Um ensino das Escrituras pode ser considerado como não essencial para a salvação e, no entanto, ser muitíssimo importante para outro grande e gracioso propósito na economia de Deus, isso pode ser necessário para o nosso conforto pessoal, para nos direcionar no modo de viver a nossa vida, para o nosso crescimento em santidade e, ainda mais, ser essencial para a totalidade do sistema da verdade divina.

Extraído de John W. Robbins, ed., The Church Effeminate, p. 32

Evidência do Batismo com o Espírito?

O conceito de que um dom particular (por exemplo, línguas) é (quase) o invariável acompanhamento que serve para evidenciar o Batismo com o Espírito, (geralmente) como uma experiência após a conversão, não encontra real apoio no Novo Testamento e de fato, concorre contra o seu ensino sobre batismo (dom) do Espírito Santo. Nenhum dom pode reivindicar uma posição de "privilégio", ou ter o seu lugar na vida da igreja mantendo como se fosse um componente de uma "segunda benção", ou uma teologia do batismo do Espírito.

Extraído de Richard B. Gaffin, Jr., Perspectives on Pentecost, p. 50

Tentando amaldiçoar a Deus

Todo pecado é uma espécie de amaldiçoar a Deus no coração. O homem tenta destruir e banir Deus do coração, não realmente, mas virtualmente; não na intenção consciente de cada pecador, mas na natureza de cada pecado.

Extraído de Stephen Charnock, The Existence and the Attributes of God, vol. 1, p. 93

sexta-feira, setembro 15, 2006

Dons para a inspiração

O Espírito Santo forneceu aos profetas e apóstolos, comos instrumentos escolhidos, dons para que fossem diferenciados da graça ordinária, para dar na forma humana de falar uma revelação para que fosse aceita como Palavra de Deus em todo o seu conteúdo, e com a autoridade orientadora para a doutrina e conduta.

Extraído de George Smeaton, The Doctrine of the Holy Spirit, p. 152.

O testemunho do Espírito

O testemunho do Espírito pode ser definido como uma clara certeza e vivificadora influência do Espírito Santo, iluminando os efeitos e evidências da regeneração conforme eles aparecem no exercício daquelas graças num cristão, de modo a fazê-los esclarecidos e seguros na consciência.

Extraído de C.R. Vaughan, The Gifts of the Holy Spirit, p. 293.

quarta-feira, setembro 06, 2006

A livre graça de Deus

Deus não foi induzido a dar a sua graça ao pecador, em primeira instância por haver visto algo meritório, ou atrativo no pecador que se arrepende; portanto, a subsequente ausência de todo bem no pecador não pode ser um motivo novo para que Deus retire dele a sua graça. Quando Deus conferiu a sua graça ao pecador, ele sabia perfeitamente que o pecador era totalmente depravado e odiável; portanto, nem a ingratidão, nem a infidelidade por parte do pecador convertido pode ser motivo que induza a Deus de mudar de opinião, ou seja, para retirar sua graça. Deus disciplinará tal ingratidão e infidelidade retirando temporariamente o seu Espírito, ou suas misericórdias providenciais; mas se o seu propósito desde o princípio não fosse de suportar tais pecados e perdoá-los em Cristo, ele não teria sequer chamado ao pecador. Em outras palavras, as causas pelas quais Deus determinou conferir o seu amor eletivo ao pecador se encontram totalmente Nele, e não no crente; consequentemente, nada no coração, ou na conduta do crente pode finalmente alterar esse propósito divino.

Extraído de R.L. Dabney, Lectures in Systematic Theology, p. 690-691

quinta-feira, agosto 31, 2006

Deus controla cada detalhe

Mas, Deus controla não apenas o curso da natureza e dos grandes eventos da história. Como temos visto, Ele se envolve com cada detalhe também. Assim, encontramos na Escritura que Deus controla o curso de cada vida humana. Como poderia ser diferente? Deus controla todos os eventos naturais em seus mínimos detalhes, incluindo os aparentes eventos fortuitos. Ele controla a história das nações e da salvação humana. Contudo, estes governam uma grande extensão de eventos da nossa vida diária. Mas, se do contrário, Deus não controla um vasto número de vidas humanas individualmente, seria difícil imaginar como Ele conseguiria controlar os grandes desenvolvimentos da história.

Extraído de John M. Frame, The Doctrine of God, p. 59

quarta-feira, agosto 30, 2006

A inspiração e os escritores

Inspiração é aquela influência do imanente Espírito Santo que acompanha todo pensamento, e sentimento, e impulso, e ação do sacro escritor envolvido na função de escrever a palavra, e que dirige-lhe na seleção e elocução da verdade - que é, em sua concepção e em sua expressão verbal - de modo que a mente de Deus em premissas foi expressa com infalível acuricidade.

Extraído de A.A. Hodge, Evangelical Theology - Lectures on Doctrine, p. 78

sexta-feira, agosto 25, 2006

A Trindade e a nossa redenção

A doutrina da Trindade é o único modo pelo qual as nossas mentes humanas podem conceber a aplicação da expiação que Cristo fez pelos nossos pecados. Seria difícil para nós, sem esta doutrina, conceber o fato de que uma Pessoa que é "infinita, eterna e imutável em seu ser, sabedoria, poder, santidade, justiça, bondade e verdade", uma Pessoa que possuí todos os Seus essenciais atributos da Deidade, literalmente, tornando-se um membro de nossa raça na história; que uma Pessoa apresentou para a nossa raça humana o amor de Deus numa vida terrena; e que nós, a raça humana, pregamos-Lhe na cruz, pendurando-O ali, e ainda zombamos e ridicularizamos dEle; que literalmente, Ele tomou os nossos pecados no Seu corpo sobre o madeiro, que perdoava enquanto morria, onde merecíamos ser lançados para a punição eterna; literalmente, Ele foi ao lugar da morte, enquanto o Seu corpo desceu ao sepulcro; que, literalmente, Ele levantou da morte em Seu corpo ressurrecto, e que semelhantemente nós seremos em nossa ressurreição; Ele ascendeu para uma "terra distante a fim de receber o seu reino", e que Ele "retornará" (Lc19:12), e reinará em Seu reino - seria impossível para as nossas mentes compreender todos estes fatos, centralizados na obra expiatória de Cristo, exceto se o entendermos nos termos da Divina Trindade. "Pois, Deus [o Pai] amou o mundo de tal maneira que deu o Seu único Filho [a Segunda Pessoa da Trindade] para que todo aquele que nEle crê [através da convicção e capacitação do Espírito Santo, Jo 16:8; Ef 2:8] não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3:16).

Extraído de J. Oliver Buswell, Jr., A Systematic Theology of the Christian Religion, vol. I, p. 128

quinta-feira, agosto 24, 2006

Calvino e o Presbiterianismo

João Calvino ensinou que a forma de governo presbiteriana é a mais bíblica. Aqui os presbíteros (presbyteroi) têm que ser eleitos pela congregação, governar a igreja sob a liderança de Jesus Cristo (Institutas IV.3:1-16, Comentário de 1 Pedro 5:1-4; Atos 14:23). A Palavra de Deus reveste de autoridade apenas estes homens, que são dotados pelo seu Espírito para servir (Comentário de 1 Timóteo 2:11-3:16; Institutas IV.11:1).

A forma de governo presbiteriana, disse Calvino, foi fundada, à princípio, no Antigo Testamento (Êxodo18:13ss; Números 11:16ss). E, então ela foi usada pelos apóstolos no Novo Testamento (Institutas IV.3:1-16). Além disso, ela foi o governo bíblico usado na verdadeira igreja desde os dias dos apóstolos. Neste sistema de governo há uma série de tribunais: na nível local há o Conselho (ou Consistório); o seguinte é o Presbitério (ou Classe [neste nível "A Comunhão de Pastores de Genebra" que se reuniam regularmente e examinavam os candidatos ao ministério]); finalmente, há a Assembléia Geral ou Sínodo (o mais alto tribunal eclesiástico), que se reúne somente em ocasiões indeterminadas (Institutas IV.8:9; Comentário de Atos 15:6). De acordo com Calvino, que o Catolicismo Romano antes de se tornar corrompido era o bíblico presbiterianismo (Institutas IV.5-7).

Extraído de W.Gary Crampton, What Calvin Says, p. 96

O erro do Supralapsarianismo

Um dos principais motivos na estrutura do plano supralapsariano é o desejo de preservar o princípio particularista em todas as relações de Deus com os homens; não com respeito a salvação do homem somente, senão através de todo o curso da ação divina com respeito aos homens. Desde a criação, Deus vê os homens considerados como divididos em duas classes, os que recebem respectivamente o Seu imerecido favor, e os de Sua merecida reprovação. De acordo com isto, alguns supralapsiarianos colocam o decreto da discriminação primeiro na ordem de pensamento, precedente ao decreto da criação. Todos eles o colocam na ordem de pensamento precedente ao decreto da queda. É pertinente, portanto, enfatizar que a sua intenção de particularizar a relação total de Deus com os homens não está realmente realizado, e indubitavelmente não pode ser realizado pela natureza do caso. O decreto de criar ao homem, e mais particularmente o decreto de permitir ao homem cair no pecado, são necessidades universalísticas. Não somente alguns homens são criados, nem somente alguns homens são criados diferentes dos outros; senão que toda a humanidade está criada em sua primeira cabeça, e toda a humanidade está criada semelhantemente. Não se permite apenas a alguns homens cair; senão que todos os homens semelhantemente caem. O intento de colocar o particularismo fora da esfera do plano da salvação, onde o problema é diverso (porque somente alguns homens são salvos), na esfera da criação, ou da queda, onde o problema é comum (pois todos os homens são criados e todos são decaídos), fracassa por mera necessidade do caso. O particularismo pode entrar na questão somente onde os diversos argumentos demandam a postulação de diversas relações que objetivam a diferente fins. Não pode ser colocado na região das relações divinas com o homem anteriores à necessidade da salvação humana e das relações de Deus com ele com referência a uma salvação que não é comum a todos. O supralapsarianismo erra, em conseqüência, tão seriamente por uma lado, como o universalismo por outro. O infralapsarianismo oferece o único plano correto que é consistente por si mesmo, ou consistente com os fatos.

Extraído de B.B. Warfield, El Plan de la Salvación, pp. 20-21

quarta-feira, agosto 23, 2006

A nossa morada eterna

A nossa última e eterna morada não será o lugar onde os cristãos que estão mortos vivem atualmente com Cristo. A cidade dos santos, a Nova Jerusalém, a santa cidade cheia de rios e jardins, a cidade sem templo, porque ela toda é um templo; essa cidade é a que o apóstolo João descreve em Apocalipse 21:2. Ele disse que viu "descer do céu, da parte de Deus, um novo céu e uma nova terra." É em nosso atual mundo purificado e glorificado que viveremos para sempre com Cristo e caminharemos na sempiterna luz da glória do Cordeiro.

Extraído de Angus MacLeod, El fin del Mundo, pp. 18-19

terça-feira, agosto 22, 2006

O Espírito da oração

Se a nossa vida de oração é monótona e enfadonha, se é pesada, se sentimos que não estamos em contato com Deus, como se as nossas orações não chegassem a Ele, se não sabemos para que orar, se a oração não é um meio poderoso em nossa vida, então podemos recorrer ao Espírito da oração e pedir-lhe que venha a nossa vida, de forma mais plena, para ajudar-nos nesta debilidade. Se assim fizermos, com fé e esperança, Ele virá a nós e revolucionará a nossa vida de oração. Porque Ele é o secredo da oração, do mesmo modo que é o secredo de toda a vida santa. Sem Ele nada podemos fazer. Mas, com Ele podemos ser transformados e viver vidas que sejam expiritualmente ricas, ativas e alegres.

Extraído de Edwin H. Palmer, El Espíritu Santo, pp. 194-195

sábado, agosto 19, 2006

Um ofício em duas funções

A Escritura faz a distinção entre presbíteros regentes (1 Tm 3:4-5; 1 Tm 5:17) e presbíteros docentes (1 Pe 5:1). Todavia, isto não significa que um seja superior ao outro. Como estas passagens demonstram, não há uma distinção absoluta entre estes ofícios. Presbíteros regentes também devem ser capazes de ensinar (1 Tm 3:2), e presbíteros docentes “que se afadigam na palavra e no ensino” também governam (1 Tm 5:17).

Extraído de Ronald Hanko, Doctrine according to Godliness – A Primer of Reformed Doctrine, p. 240.

A razão da nossa fé

O inquiridor pergunta por uma razão, ou, como podemos dizer, ele pergunta pela lógica de nossa esperança; e precisamos estar preparados para dar a lógica e razão da nossa fé. Não somente conceder tal réplica, mas manter com santa dignidade e importância a mensagem cristã, e as perguntas que nos são feitas, tornando-as uma oportunidade que não podem ser desperdiçadas.

Extraído de Gordon H. Clark, Peter Speaks Today – A Devotional Commentary on First Peter, p. 118

segunda-feira, agosto 14, 2006

O propósito da Bíblia

A Bíblia é a Palavra de Deus - isto é a principal coisa a saber a seu respeito. Não podemos por nós mesmos encontrar a Deus. Ele se revela, e é confiável, em suas obras. "Os atributos invisíveis de Deus, assim como o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das cousas que foram criadas" (Rm 1:20). Mas, precisamos conhecer muito mais do que o seu "eterno poder e divindade". Somos pecadores, e necessitamos conhecer a sua bondade e os meios que Ele forneceu para salvar-nos. Este é o tema da Bíblia. A Bíblia nos revela o caminho da salvação. O caminho apresentado no Antigo Testamento; e, no Novo Testamento, na vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo, é realizado este maravilhoso plano. Não poderíamos descobrí-lo por nós mesmos. "Porque qual dos homens sabe as cousas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as cousas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus" (1 Co 2:11). Se vamos conhecer a Deus, Ele precisa falar-nos. Ele nos fala na Bíblia.

Extraído de J. Gresham Machen, The New Testament - An Introduction to its Literature and History, p. 16

Teologia Sistemática e Bíblica

A Teologia Bíblica ocupa uma posição entre a Exesege e a Sistemática na enciclopédia das disciplinas teológicas. Ela difere da Teologia Sistemática, não porque seja mais bíblica, ou por aderir mais estritamente as verdades da Escritura, mas em que o seu princípio de organizar o material bíblico é mais histórico do que lógico. Considerando que a Teologia Sistemática usa a Bíblia como um todo completo e empenha-se em exibir o seu completo ensino numa forma ordenada e sistemática, a Teologia Bíblica divide os assuntos a partir da perspectiva histórica, buscando demonstrar o crescimento orgânico ou desenvolvimento das verdades da Revelação Especial da primitiva Revelação Especial pré-redentiva entregue no Éden até o fechamento do cânon do Novo Testamento.

Extraído de Geerhardus Vos, Biblical Theology, p. v-vi

sábado, agosto 12, 2006

As duas naturezas de Cristo

Nos versículos iniciais da maior de suas epístolas o apóstolo Paulo apresenta-nos os dois lados do ser do nosso Senhor com perfis claros para a nossa compreensão. Reduzido a seus termos inferiores, o que nos diz aqui é que por um lado de seu ser, o nosso Senhor era o "Filho de Davi", e pelo outro lado era o "Filho de Deus". Estes dois lados do ser os chama respectivamente de "segundo a carne" e "segundo o Espírito de santidade" que pode ser parafraseado de modo breve, respectivamente, como o humano e o divino. Mas, não nos permite que concluamos que estes dois lados do ser de nosso Senhor eram igualmente originais nEle. Pelo contrário, nos declara que o lado humano tinha um começo histórico, enquanto que o divino conhecia somente um estabelecimento histórico: o nosso Senhor feito - veio a ser (genómenos) - da semente de Davi, segundo a carne; foi "designado" - marcado como (horisthéntos) - o "Filho de Deus" pela ressurreição dos mortos. Fazendo-se homem, trouxe a vida e a imortalidade à luz, e deste modo se mostrou mais do que homem, e não menos do que o "Filho de Deus". A exaltação humana mais elevada é a messianidade, mas a sua messianidade era o lado inferior da sua majestade. Para que pudesse ser o Messias teve que descer do seu estado prévio de glória divina. Assim claramente o apóstolo apresenta o nosso Senhor como essencialmente o "Filho de Deus", e esta filiação de Deus como essencialmente consubstancial com Deus.

Extraído de B.B. Warfield, El Señor de la Glória, pp. 246-247

sexta-feira, agosto 11, 2006

É impossível definir o incompreensível Deus

Qualquer definição ou descrição de Deus que falhe em considerar esta incompreensibilidade de Deus poderia destruir a verdadeira idéia de Deus. O que não pode ser comparado, também não pode ser definido. Nem é possível encontrar o genus [do latim: qualidade] de tão boa definição do próprio Deus.

Extraído de Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics, vol. 1, p. 71

O dever de sistematizar as verdades de Deus

Deus certamente vê a verdade como um todo, e é o dever do teólogo pensar as verdades de Deus segundo a mente divina. Deve existir um constante esforço para considerar a verdade como Deus a vê, ainda que seja perfeitamente evidente que o ideal esteja além do domínio do homem em sua presente condição.

Extraído de Louis Berkhof, Introdución a la Teología Sistemática, p. 1

As palavras são o que são na Palavra de Deus

A concepção ortodoxa da inspiração também declara que a revelação bíblica é proposicional em natureza; ela ensina uma verdade proposicional. Proposições são lógicas, com importantes combinações de palavras que declaram alguma coisa. Elas possuem o significado das sentenças declaradas. A verdade da Escritura não está "em meio", "acima", ou "além" das palavras, ou somente na mente do intérprete. Nem estão as palavras secretamente simbolizadas, insinuando alguma verdade mais "elevada" ou "profunda". Pelo contrário, a verdade de Deus repousa no significado lógico e organização que as palavras possuem. Nem numerologistas, nem poetas, nem aqueles que vêem códigos acrósticos na Escritura que compreende a Escritura. A verdade de Deus vem via o nosso entendimento das proposições da Escrituras conforme as regras ordinárias da gramática e da lógica (que estão presentes na Escritura). Por isso, a Bíblia não contém paradoxos lógicos.

Extraído de W. Gary Crampton, By Scrypture Alone, p. 78

Cristianismo é uma cosmovisão

O Cristianismo é uma religião, histórica em sua origem, e que pretende repousar na revelação divina. Mas, ainda que não seja um sistema científico, nem uma filosofia, contudo, tem uma cosmovisão própria, a qual se mantém aderida firmemente, tanto no que se refere ao seu postulado fundamental de um Deus pessoal, santo e que se revela, como pelo seu conteúdo como uma religião da Redenção.

Extraído de James Orr, Concepción Cristiana de Dios e el Mundo, p. 14

quinta-feira, agosto 10, 2006

General Thomas J. "Stonewall" Jackson


"As minhas convicções religiosas ensinam-me a sentir-me tão seguro na batalha como em minha cama. Deus fixou o tempo da minha morte. Não me preocupo comigo além do que preciso, mas sempre estou pronto para tudo o que possa acontecer-me. Esta é a maneira como todos os homens deveriam viver, e todos seriam igualmente bravos."

Nota do tradutor: o general Thomas J. "Stonewall" Jackson morreu por um disparo acidental de um soldado de sua própria tropa em 1863, durante a trágica Guerra Civil Americana. Foi enterrado na Igreja Presbiteriana em Lexington, no estado da Vírginia. A biografia do general foi escrita pelo teólogo presbiteriano Robert L. Dabney num livro com o título de Life and Campaigns of Lt. General Thomas J. Jackson.

O "reigrejar" do Pentecostes

Com o derramamento do Espírito, o qahal, o povo de Deus consolidado no Antigo Testamento, chegou a ser a ekklesia, o corpo de crentes constituído pelos “chamados de fora” no Novo Testamento. Esta transição histórica, redentora, reflete tanto a continuidade como descontinuidade com o passado.

No Pentecostes a igreja não nasceu, senão que renasceu. Teve lugar à atualização. A humanidade renovada estava amadurecendo. Todavia, a história da igreja como povo de Deus retrocede ao passado, ao começo, ao chamado daquela primeira comunidade humana de “passear com Deus na viração do dia”, e de ser seus mordomos no meio da criação. Como resultado da queda, como imagem de Deus nos “desigrejamos”. Então Deus interveio com a sua graça para “reigrejar” a humanidade caída por meio da linhagem dos crentes Sete, Enoque, e Noé. Com o chamado de Abraão começou a existir a fase da igreja do Antigo Testamento, como um povo escolhido para preparar o cominho do Messias que viria. Por isso, Israel é a oliveira original de Deus. Mesmo que algumas de suas ramas tenham se perdido, a raiz ainda vive. Nessa raiz recebe a vida (Rm 11:17-21).

Com o Pentecostes os gentios compartilham das riquezas do “bem comum de Israel”. Porque Cristo derrubou “o muro da separação da inimizade” entre judeus e gentios, criando assim “uma nova humanidade no lugar de duas”. Agora, todos têm “acesso no Espírito ao Pai, e são “membros da família de Deus”, um “templo santo no Senhor”. Esta grande reunião se baseia em fundamentos lançados no testemunho conjunto dos apóstolos e dos profetas (Ef 2:11-22). Por isso, Estevão podia falar da presença de Cristo “na igreja no deserto” (At 7:38). Esta igreja do deserto bebeu da “Rocha espiritual... e a Rocha era Cristo” (1 Co 10:4).

Extraído de Gordon J. Spykman, Teologia Reformacional - un nuevo paradigma para hacer la dogmática, p. 468

terça-feira, agosto 08, 2006

Toda a Escritura é inerrante

Aqueles que negam a inerrância dos autógrafos originais da Escritura, e se esforçam em introduzir esta concepção da Crítica Bíblica, reivindicam a base nos padrões de Westminster. Nós propomos apresentar que a Confissão de Westminster ensina que as Escrituras em sua primeira forma, assim como procederam dos profetas e apóstolos, foram livres de erros em todas as suas partes, tanto segundárias como primárias.

Extraído de William G.T. Shedd, Calvinism: Pure & Mixed, p. 132

O verdadeiro arrependimento

O arrependimento não é mera tristeza pelo pecado, nem é um mero remorso. É uma tristeza divina que inclui um elemento de ódio pelo pecado e uma determinação em abandoná-lo e viver uma vida santa.

Extraído de D.Martyn Lloyd-Jones, Por qué lo permite Dios?, p. 17

Falar em línguas é sinal da sã espiritualidade?

É muito difícil defender que o falar em línguas do modo como hoje prevalece seja um sinal de espiritualidade cristã quando, segundo muitos observadores, o mesmo fenômeno pode ser encontrado entre as religiões não cristãs tais como a religião muçulmana. O mesmo problema está inerente na incidência do falar em línguas entre os católicos romanos da Renovação Carismática. Não vamos por causa da indisposição negar que muitos católicos romanos são devotos, ainda que sejam cristãos mal orientados, mas é difícil crer que qualquer um que desfrute de uma grande medida da plenitude do Espírito possa ter pouco entendimento da Bíblia, e tão pouca compreensão da experiência da salvação, que possibilite a adoração de imagens, render homenagem à virgem Maria, e distanciar-se (mediante um anátema) da doutrina de Lutero acerca da justificação.

Extraído de Donald MacLeod, El Bautismo con el Espíritu Santo, p. 60.

segunda-feira, agosto 07, 2006

O que é oração?

Orar é derramar o coração, ou a alma, de modo sincero, consciente e afetuoso; derramando diante de Deus, por meio de Cristo, no poder do Espírito Santo, buscando as coisas que Deus prometeu, ou que estão em conformidade com a Sua Palavra, para o bem da Igreja, com fiel submissão à vontade de Deus.

Extraído de John Bunyan, La Oración, p. 5.

A cessação dos dons sobrenaturais

Assim como houveram ofícios extraordinários (apóstolos e profetas) no começo da nossa dispensação, também houveram dons extraordinários; e como não houveram sucessores designados para estes ofícios extraordinários, muito menos houve a intenção de continuar esses dons extraordinários. Os dons dependiam dos ofícios. Não temos mais os apóstolos conosco, e conseqüentemente, também não possuímos mais os dons sobrenaturais, a comunicação dos quais constituiram parte essencial dos sinais de um apóstolo estão ausentes (2 Co 12:12).

Extraído de A.W. Pink, The Holy Spirit, p. 179.

Dons revelacionais cessaram com os apóstolos

Estes dons [revelacionais] não foram possuídos pelo cristão da Igreja primitiva como tal, nem pela Igreja apostólica ou o período Apostólico por si mesmo; tais dons foram distintivamente a autenticação dos apóstolos. Constituiram parte das credenciais dos apóstolos em sua qualidade de agentes autorizados por Deus no estabelecimento do fundamento da Igreja. A sua função, pois, os delimitou à Igreja apostólica, de maneira distintiva, e necessariamente desapareceriam com ela.

Extraído de B.B. Warfield, Counterfeit Miracles, p. 6.

A tentação transformada em benção

A tentação opera para o bem [dos eleitos] ao reduzir o inchaço produzido pelo orgulho. "Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar" (2 Co 12:7). O espinho na carne tinha o objetivo de esvaziar o envaidecer do orgulho. É melhor a tentação que me humilha do que o dever que me ensoberbece. Antes de permitir que um cristão seja altivo, Deus lhe deixará cair nas mãos do diabo, por um tempo, para que se cure do seu abscesso.

Extraído de Thomas Watson, Consolación Divina, p. 37.

sábado, agosto 05, 2006

Deus sabe o que Ele determina

A única maneira de que algum objeto ter ocorrido na mente de Deus do meramente possível ao inevitavelmente certo, é se o próprio Deus houvesse determinado levar a cabo, ou que houvesse permitido de maneira intencional e deliberada por meio de outro agente que expressamente houvesse criado para tal propósito. Um efeito concebido potencialmente somente ocorre mediante uma ou mais causas eficientes. Quando Deus contempla todo o universo, da perspectiva de sua presciência infinita, somente havia uma causa, ou seja, Ele mesmo; portanto, se alguma outra causa surgir, tal causa subordinada teria a Deus como causa fundamental. Se a presciência infinita de Deus encerra em si efeitos que serão produzidos por estas causas subordinadas, então, Deus ao decretar tais causas, em Sua infinita presciência, decretou ou determinou igualmente todos os demais efeitos.

Extraído de Robert L. Dabney, Lectures in Systematic Theology, p. 212

Deus não mente

Deus também conhece o que é impossível. Desde que Ele conhece a si mesmo, ele sabe que não pode mentir. Esta "inabilidade" não é um limite da sua onipotência; ela simplesmente significa que tudo quanto Deus declara é ipso facto verdadeiro. Ao dizer que Deus pode mentir é um entendimento errôneo da natureza de Deus, como dizer que um triângulo tem apenas dois lados é um entendimento errôneo da natureza do que é um triângulo.

Extraído de Gordon H. Clark, Predestination, p. 41

sexta-feira, agosto 04, 2006

O desenvolvimento do decreto

Na infinita sabedoria do Senhor de toda a terra, cada evento acontece precisamente no lugar que lhe corresponde no desenvolvimento do plano eterno; coisa alguma, não importa quão pequena, nem tão estranha seja, ocorre em sua ordem, ou em sua adaptação particular do lugar que lhe corresponda no desenvolvimento dos seus propósitos; e o fim de tudo será a manifestação da Sua glória. Esta é a filosofia do universo que apresenta não apenas o Antigo, mas também o Novo Testamento - uma perspectiva universal que apresenta uniformidade concreta no absoluto decreto, o propósito, o plano, do qual tudo o que acontece não é senão o seu desenvolvimento no tempo.

Extraído de B.B. Warfield, Biblical Doctrines, p. 22.

quinta-feira, agosto 03, 2006

Quão discutida é a predestinação!

O exame sério desta grande doutrina [da predestinação] nos conduzirá aos mais profundos e inacessíveis temas que possam ocupar a mente dos homens - a natureza e os atributos, os propósitos e operações do infinito e incompreensível Jeováh - vistos de maneira especial em suas relações com o destino eterno de suas criaturas inteligentes. A natureza peculiar do tema exige, e com razão, que sempre nos aproximemos e o consideremos com a mais profunda humildade, cautela e reverência, já que isto trata, por um lado, de um tema tão terrível e assustador como é o da miséria eterna de uma multidão incalculável de nossos semelhantes. Muitos têm discutidos o tema neste espírito, mas também há outros que se dão à especulação presunçosa e irreverente. É possível, que não exista outro tema que tenha chamado mais atenção dos homens em todas as épocas. Tal tema é discutido as suas implicações em todas as suas relações, tanto filosóficas, teológicas e práticas; e se há algum tema de especulação com relação ao qual nos for lícito dizer que tenha sido esgotado, é este.

Extraído de William Cunningham, Historical Theological, vol. II, p. 418.

O que é lícito?

Qualquer coisa deve ser considerada como indiferente até que se prove ser pecaminosa, não o contrário. Um homem é considerado inocente até que se prove a sua culpabilidade. Não há nada mais falso e perigoso do que as idéias de alguns mestres religiosos, de que um assunto deve ser tomado como pecaminoso a menos que se prove que é indiferente. Quando existe a dúvida acerca da matéria, ou assunto, como sendo ou não pecaminoso em si, deverá deixar-se decidir a consciência individual. Se o ensino das Escrituras acerca de um assunto particular aparece duvidoso ou obscuro, e ainda quando tenha aparência de contraditório, será o melhor motivo para que as igrejas não se pronunciem com autoridade sobre tal matéria, ou assunto. O que Deus não revelou com clareza não tratem as igrejas de determiná-lo, Deus nos livre de intentar ter uma norma mais clara do que a Bíblia, ou um número mais completo d eleis morais do que as que contêm a Palavra de Deus.

Extraído de Johannes G. Vos, The Separate Life, p. 18.

A doutrina e prática cristã

O alicerce da prática cristã deverá estar baseado no conhecimento e na fé cristã. Devemos compreender, em primeiro lugar, como recebemos a Cristo Jesus, e assim saberemos, em segundo lugar, como andar melhor com Ele.

Extraído de Matthew Henry, Commentary on the Whole Bible, vol. VI, p. 454.

Uma obra completa

Os sentimentos do crente, vistos em Cristo, como se descrevem ao final deste capítulo (Rm 8:31-39), oferecem um notável contraste com o que se diz ao final do capítulo anterior, onde se vê o crente em suas próprias forças. Examinando-se como realmente é, um pecador, o crente exclama gemendo: "miserável homem que sou!" Mas, observando-se justificado em Cristo, o crente ousa perguntar: "quem me acusa?", "quem me condena?" A pessoa que ama a Deus pode desafiar todo o universo que lhe separe do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, seu Senhor. Apesar de que, no presente toda a criação geme e a um só tempo, geme dores de parto, apesar do próprio crente gemer dentro de si, apesar disto, todas as coisas cooperam para o bem. O Espírito Santo está intercedendo por ele, em seu próprio coração; Jesus Cristo está intercedendo por ele diante do trono de Deus; o Deus Pai lhe escolheu na eternidade, lhe chamou, lhe justificou e finalmente lhe coroou com glória. O apóstolo Paulo deu início a este capítulo declarando que não há condenação para os que estão em Cristo Jesus; e o que se conclui com a segurança triunfante de que não há separação possível entre o crente e o amor de Deus. A salvação do crente é completa em Cristo, e sua união com Ele é indissolúvel.

Extraído Robert Haldane, Exposition of the Epistle to the Romans, p. 438.

A segurança do crente

Aqui [Rm 8:1-39] se vê que a salvação daqueles que renunciaram a lei, e aceitaram a misericordiosa oferta do Evangelho, é absolutamente certa. Todo o capítulo é uma série de argumentos maravilhosamente estabelecidos para provar esta segurança. Cada um deles está traçado e dirigido para uma fonte de esperança e segurança, o imerecido e imutável amor de Deus em Cristo Jesus. A declaração está contida no primeiro versículo: "agora, pois, não há mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus." Estes nunca serão condenados, nem perecerão.

Extraído Charles Hodge, Commentary on the Romans, p. 247.

quarta-feira, agosto 02, 2006

A inspiração da Escritura

Os escritores sacros foram movidos e inspirados pelo Espírito Santo, envolvendo tanto os pensamentos, como a linguagem, e que eles foram preservados livres de todo erro, fazendo com que os seus escritos sejam inteiramente autênticos e divino.

Francis Turrentin citado em W.G.T. Shedd, Dogmatic Theology (1888), vol. 1, 72.

A inspiração dos livros canônicos

O registro dos livros canônicos vieram à existência pela especial e direta atividade do Espírito Santo, que impulsionou os autores a escrever, dando-lhes os pensamentos e as palavras que eles deveriam registrar, e preservando-lhes de algum erro em seus escritos. Em outras palavras, os escritos canônicos são em conteúdo e em forma inspirados em seus autores pelo Espírito Santo.

Extraído de Heinrich Heppe, Reformed Dogmatics (1861), p. 16.

terça-feira, agosto 01, 2006

Cristo nos livra do pecado

Se um homem não se identifica com o propósito de Cristo de destruir o pecado, e se em lugar de dor e aborrecimento contra o mal, acaricia a idéia de que pode continuiar pecando para que a graça abunde, a conclusão inevitável é que este homem não conhece a Cristo, e não foi justificado. Mais claramente dizendo: é psicologicamente impossível confiar no sangue redentor de Cristo e desejar continuar vivendo no pecado. A santificação não é meramente o propósito da justificação, como se o propósito pudesse resultar falido, mas é o seu resultado inevitável.

Extraído de Gordon H. Clark, "Romans" The Biblical Expositor, p. 248.

Punição terrível

Com freqüência, Deus castiga um pecado abandonando o pecador a cometer outros. Paulo repete esta idéia três vezes, nos versos 24, 26 e 28. Este abandono judicial está em conformidade, e não é incompatível com a santidade de Deus e a livre agência do homem. Deus não incita ao mal, muito menos o refreia. Referindo-se ao pecador, Deus diz: "deixemos-no entregue a si mesmo" (vs. 24-28).

Extraído de Charles Hodge, Commentary on the Romans, p. 45.

segunda-feira, julho 31, 2006

Carta de Calvino à Lutero

21 de Janeiro de 1545

Ao mui excelente pastor da Igreja Cristã, Dr M. Lutero,[1]

meu tão respeitado pai.

Quando disse que meus compatriotas franceses,[2] que muitos deles foram tirados da obscuridade do Papado para a autêntica fé, nada alteraram da sua pública profissão,[3] e que eles continuam a corromper-se com a sacrílega adoração dos Papistas, como se eles nunca tivessem experimentado o sabor da verdadeira doutrina, fui totalmente incapaz de conter-me de reprovar tão grande preguiça e negligência, no modo que pensei que ela merece. O que de fato está fazendo esta fé que mente sepultando no coração, senão romper com a confissão de fé? Que espécie de religião pode ser esta, que mente submergindo sob semelhante idolatria? Não me comprometo, todavia, de tratar o argumento aqui, pois já o tenho feito de modo mais extenso em dois pequenos tratados, em que, se não te for incomodo olha-los, perceberá o que penso com maior clareza que em ambos, e através da sua leitura encontrará as razões pelas quais tenho me forçado a formar tais opiniões; de fato, muitos de nosso povo, até aqui estavam em profundo sono numa falsa segurança, mas foram despertados, começando a considerar o que eles deveriam fazer. Mas, por isso que é difícil ignorar toda a consideração que eles têm por mim, para expor as suas vidas ao perigo, ou suscitar o desprazer da humanidade para encontrar a ira do mundo, ou abandonando as suas expectativas do lar em sua terra natal, ao entrar numa vida de exílio voluntário, eles são impedidos ou expulsos pelas dificuldades duma residência forçada.

Eles têm outros motivos, entretanto, é algo razoável, pelo que se pode perceber que somente buscam encontrar algum tipo de justificativa. Nestas circunstâncias, eles se apegam na incerteza; por isso, eles estão desejosos em ouvir a sua opinião, a qual eles merecem defender com reverência, assim, ela servirá grandemente para confirmar-lhes. Eles têm requisitado-me de enviar um mensageiro confiável até você, que pudesse registrar a sua resposta para nós sobre esta questão. Pois, penso que foi de grande conseqüência para eles ter o benefício de sua autoridade, para que não continuem vacilando; e eu mesmo estou convicto desta necessidade, estive relutante de recusar o que eles solicitaram.

Agora, entretanto, mui respeitado pai, no Senhor, eu suplico a ti, por Cristo, que você não despreze receber a preocupação para sua causa e minha; primeiro, que você pudesse ler atentamente a epistola escrita em seu nome, e meus pequenos livros, calmamente e nas horas livres, ou que pudesse solicitar a alguém que se ocupasse em ler, e repassasse a substância deles a você. Por último, que você escrevesse e nos enviasse de volta a sua opinião em poucas palavras. De fato, estive indisposto em incomodar você em meio de tantos fardos e vários empreendimentos; mas tal é o seu senso de justiça, que você não poderia supor que eu faria isto a menos que compelido pela necessitado do caso; entretanto, confio que você me perdoará.

Quão bom seria se eu pudesse voar até você, pudera eu em poucas horas desfrutar da alegria da sua companhia; pois, preferiria, e isto seria muito melhor, conversar pessoalmente com você não somente nesta questão, mas também sobre outras; mas, vejo que isto não é possível nesta terra, mas espero que em breve venha a ser no reino de Deus. Adeus, mui renomado senhor, mui distinto ministro de Cristo, e meu sempre honrado pai. O Senhor te governe até o fim, pelo seu próprio Espírito, que você possa perseverar continuamente até o fim, para o benefício e bem comum de sua própria Igreja.

[1] Nota do tradutor: o especial interesse por esta carta, pelo que sabemos, é que ela é a única que Calvino escreveu a Lutero.

[2] Nota do tradutor: pelo que parece Calvino se refere aos huguenotes que embora haviam assumido o compromisso com uma confissão de fé reformada, mas na prática ainda preservavam os ídolos, toda a pompa e ritual da missa católica romana. Esta prática evidenciava uma incoerência entre o ato e a convicção de fé.

[3] Nota do tradutor: Calvino se refere ao culto como uma confissão pública de fé.

Extraído de Letters of John Calvin: Select from the Bonnet Edition with an introductiory biographical sketch, pp. 71-73.

domingo, julho 30, 2006

Onisciência e soberania de Deus

Se Deus não sabe o que as suas criaturas farão, incluindo o homem, então, se inclui no universo um fator de incerteza e ao mesmo tempo inexplicável. É possível examinar este fator inexplicável? Podemos sustentar se, de fato, Deus não conhece as coisas que irão acontecer às pessoas que criou, pode Ele ainda pode governar o restante do universo de maneira ordenada? Não se pode de modo algum sustentar isto. Há uma maravilhosa coerência no curso do mundo; não se pode separar da forma que essa teoria o faz, uma parte do geral. Se Deus não sabe o que os seres humanos farão, então o curso de todo o mundo está envolto numa grande confusão. Então, a ordem da natureza deixa de ser algo ordenado.

Extraído de J.G. Machen, Visión Cristiana del Hombre, pp. 32-33.

Sola et tota Scriptura

Toda doutrina que pode ser ensinada aos teólogos também pode ser ensinada às crianças. Ensinamos uma criança que Deus é um Espírito, presente em todo lugar e que conhece todas as coisas; e ela consegue entender isto. Falamos lhe que Cristo é Deus e homem em duas distintas naturezas e uma pessoa para sempre. Isto para uma criança é leite, mas em si contêm alimento para os anjos. A verdade expressa nestas proposições podem ser expandidas ilimitadamente, e fornecer alimento para o mais alto intelecto por toda eternidade. A diferença entre o leite e o alimento reforçado, de acordo com esta concepção, é simples, é a distinção entre o maior e o menor desenvolvimento do conteúdo ensinado.

Extraído de Iain Murray, Preface in: Collected Writings of John Murray, vol. 1, p. xii.

Segurança eterna

Posso imaginar claramente o terror que deve infundir numa alma sensível ao sentir a insegurança de sua salvação, e estar constantemente consciente da terrível possibilidade de cair da graça, seguida talvez por uma longa e penosa vida cristã, como ensina o arminianismo. Pessoalmente, jamais pude abraçar tão aterradora doutrina que enche a alma de constantes e inexpressáveis dúvidas. Sentir que cruzo o tempestuoso e perigoso mar da vida dependendo para minha segurança final de minha traiçoeira natureza, produziria em mim uma perpétua insegurança. Não, eu melhor desejaria saber que a embarcação em que tenho confiado minha vida é apropriada para a navegação e que, a embarcar nela, haverei de alcançar seguramente meu destino.

Extraído de N.S. McFetridge, Calvinism in History, vol. 2, p. 112

Vida eterna?

Se a teoria arminiana estiver correta, de que um crente que nasceu de novo pode perder a fé e condenar-se, então, a última coisa que poderia ser dita é que o crente possuí vida eterna. Poderia ser dito que o crente possuí vida boa, ou vida santa, ou vida sobrenatural, ou vida feliz; mas nunca poderia se dizer que possuí vida eterna. Porque segundo o arminiano não possuí vida eterna. Possuí uma vida temporal, vida momentânea, vida finita, mas não uma vida que nunca termina.

Extraído de Edwin H. Palmer, Doctrinas Claves, p. 126

A permanente graça de Deus

Deus não foi induzido a dar a sua graça ao pecador, em primeira instância por haver visto algo meritório, ou atrativo no pecador que se arrepende; portanto, a subsequente ausência de todo bem no pecador não pode ser um motivo novo para que Deus retire dele a sua graça. Quando Deus conferiu a sua graça ao pecador, ele sabia perfeitamente que o pecador era totalmente depravado e odiável; portanto, nem a ingratidão, nem a infidelidade por parte do pecador convertido pode ser motivo que induza a Deus de mudar de opinião, ou seja, para retirar sua graça. Deus disciplinará tal ingratidão e infidelidade retirando temporariamente o seu Espírito, ou suas misericórdias providenciais; mas se o seu propósito desde o princípio não fosse de suportar tais pecados e perdoá-los em Cristo, ele não teria sequer chamado ao pecador. Em outras palavras, as causas pelas quais Deus determinou conferir o seu amor eletivo ao pecador se encontram totalmente Nele, e não no crente; consequentemente, nada no coração, ou na conduta do crente pode finalmente alterar esse propósito divino.

Extraído de R.L. Dabney, Lectures in Systematic Theology, pp. 690-691.

sexta-feira, julho 28, 2006

Perecerão os que nunca ouviram o evangelho?

Todos os homens são culpados diante de Deus por duas causas. Primeiro, por causa do pecado de Adão, que foi imputado a todo o gênero humano; e segundo, por causa dos próprios pecados cometidos ao transgredir a lei de Deus. A única forma em que os pecadores podem ser livres da culpa é por meio de sua fé em Cristo Jesus. Mas, e aqueles que nunca ouviram falar de Cristo e, portanto, não podem crer nEle? Estão perdidos? Perecerão no Inferno? A resposta de Paulo é: sim! Pois como explica em Rm 10:14-17, a menos que o Evangelho seja pregado aos perdidos (isto inclui a todos os perdidos, tanto pagãos como os judeus), e estes creiam nEle, eles não poderão escapar da ira de Deus. Referindo-se a Cristo, Pedro declara: “e não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4:12, ARA).

Aqueles que não viveram debaixo da iluminação da Palavra de Deus, não serão julgados de maneira tão rígida como aqueles que viveram sob esta Palavra, entretanto, recusam ouvir as suas advertências e aceitar as suas promessas. Isto é o que Cristo nos ensina em Lc 12:47-48: “aquele servo, porém, que conheceu a vontade do seu Senhor, não se preparou, nem obedeceu conforme a sua vontade, receberá muitos açoites. Aquele, porém, que não soube a vontade do seu senhor e fez cousas dignas de reprovação levará poucos açoites. Mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão.” Como Hodge disse: “os homens serão julgados pela luz que desfrutaram individualmente. A base do juízo são as suas obras; a regra para julgá-los é o seu conhecimento.”[1] Sendo que os pagãos pecam contra Deus por transgredir a lei escrita em seus corações, é óbvio que perecerão, a menos que alguém lhes leve a mensagem de Cristo; pois, não há justificação para os pecadores, senão pela fé em Cristo. Deus salva aos seus escolhidos por meio do Evangelho de Jesus Cristo; e são chamados externamente pela mensagem evangélica e interiormente pelo Espírito Santo, que lhes capacita a crer na mensagem. “Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o principio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Ts 2:13-14, ARA).

Há quem crê que aqueles que nunca ouviram o Evangelho não poderão ser condenados. O seu argumento é de que “Deus não pode ser tão injusto ao condenar para o Inferno aqueles que nunca tiveram a oportunidade de aceitar ou rejeitar a Cristo.” Todavia, os mesmos que assim falam defendem o envio de missionários àqueles que ainda não ouviram o Evangelho e que, segundo o seu ponto de vista, não podem ser condenados. Parece contraditório manter a idéia de que o paganismo está seguro porque não ouvem o Evangelho, e ao mesmo tempo apoiar o movimento missionário; pois se os pagãos não podem ser condenados sem antes ouvir o Evangelho, e se depois de haverem ouvido alguns deles o rejeitam, então, não devemos pensar que os missionários, em lugar de levar a esperança e possibilidade de salvação ao pagão, lhes levam somente a condenação para aqueles que rejeitam a Cristo depois de haver ouvido a mensagem? Mas como Paulo demonstra em Romanos, os homens se perdem não porque rejeitam a Cristo, mas por causa dos seus pecados. E, se vão crer no Evangelho de Cristo, que lhes liberta da culpa do pecado, deverão primeiro ouvi-lo. Portanto, o envio de missionários é absolutamente um imperativo, se quisermos que o incrédulo seja salvo.

A Escritura guarda silêncio quanto à salvação daqueles que são incapazes de compreender e crer no Evangelho (isto é, as crianças e os doentes mentais, etc.). Mas, é suficiente conhecer e saber que o Juiz do mundo fará o que é correto. Que estes necessitam da salvação está claro pelo fato de que a raça humana foi contaminada com o pecado de Adão (Rm 5:12-19); mas não nos diz nada a respeito da provisão feita por eles. Uma coisa é certa: se forem para o céu, terão que ir pelos méritos de Cristo, e não por serem inocentes, ou por estarem livres da culpa. Quando consideramos este assunto devemos ter em conta as palavras de Dt 29:29: “As coisas secretas pertencem ao SENHOR o nosso Deus; mas as reveladas são para nós e para os nossos filhos”.

[1] Charles Hodge, Romans, p. 53.

Extraído de David N. Steele & Curtis C. Thomas, Romanos Un Bosquejo Explicativo pp. 121-123.

Calvino sobre a Predestinação

Antes que o primeiro homem fosse criado, Deus por um decreto determinou o que aconteceria a toda a raça humana.

Através deste oculto decreto de Deus, foi decidido que Adão cairia do seu perfeito estado de sua natureza e arrastaria toda a sua posteridade em culpa e morte eterna.

Sobre o mesmo decreto penderia a discriminação entre o eleito e o réprobo: pois, alguns Ele para Si mesmo adotou para a salvação; no entanto, outros Ele destinou para a destruição eterna.

Apesar do réprobo ser vaso da justa vingança de Deus e, o eleito ser vaso de misericórdia, todavia, não há outra causa da discriminação encontrada em Deus, senão a sua simples vontade, a qual é a suprema regra de justiça.

Apesar disto, é pela fé que o eleito recebe a graça da adoção, todavia, a eleição não depende da fé, mas é anterior a ela em tempo e em ordem.

Portanto, a origem e perseverança da fé decorrem da gratuita eleição de Deus, sendo que nenhum outro é verdadeiramente iluminado com fé, nem são dotados com o Espírito de regeneração, a não ser aqueles que Deus tenha escolhido: mas, o réprobo inevitavelmente mantém-se em sua escuridão e distante queda da fé, mesmo que haja qualquer coisa boa nele.

Apesar de sermos escolhidos em Cristo, todavia, o Senhor que considera-nos entre os Seus, está ordenado para Si fazer-nos membros de Cristo.

Apesar da vontade de Deus ser a suprema e primeira causa de todas as coisas, e Deus dirigir o demônio e todos os ímpios segundo a Sua vontade, entretanto, a Deus nunca pode ser atribuído a causa do pecado, nem a autoria do mal, nem é Ele aberto para alguma culpa.

Apesar de Deus ser verdadeiramente hostil ao pecado e condenar todo a iniqüidade dos homens, pois lhe são ofensivos, todavia, não acontecem meramente pela Sua permissão revelada, mas pela Sua vontade e decreto secreto em que todas as coisas ocorrem e os homens são governados.

Apesar do demônio e réprobos serem servos e instrumentos para conduzir Suas decisões secretas, entretanto, de uma maneira incompreensível, Deus assim opera neles, e através deles, ao restringir sem, todavia, contaminar-Se com o seu vício, porque a sua malícia é usada num justo e correto caminho para um bom propósito, apesar da maneira como é feito, muitas vezes para nós isto é ocultado.

Eles agem ignorantes e com calúnias, ao dizer que Deus se torna o autor do pecado, se todas as coisas ocorrem pela Sua vontade e ordenança; pois, não distinguem entre a obstinada depravação dos homens e os ocultos desígnios de Deus.

Extraído de B.B. Warfield, Studies in Theology, pp. 193-194

Confissão [de Fé] dos Estudantes de Genebra de 1559

Eu confesso que Deus criou não somente o mundo visível, ou seja, os céus e a terra e tudo o que nele há, mas também os espíritos invisíveis, alguns dos quais continuaram em sua obediência, enquanto outros pela sua própria falta caíram em perdição: e que a perseverança que estava nos anjos veio da gratuita eleição de Deus, que continuaram em Seu amor e bondade, que lhes concedeu uma constância imutável para sempre persistirem no bem. Assim, eu detesto o erro dos Maniqueus que imaginam que o demônio é mal por natureza, e tem sido origem e princípio de si mesmo.

Eu confesso que Deus criou o mundo, e continua ao mesmo tempo sendo o seu perpétuo Governador: de modo que nada toma lugar, ou pode ocorrer exceto pelo Seu conselho e providência. Mas, apesar do demônio e os ímpios laborarem para lançar todas as coisas em confusão, como sempre fazem fielmente aos seus pecados, não podem perverter a correta ordem.

Eu reconheço que Deus sendo o supremo Príncipe e Senhor de tudo, torna o mal em bem, dispõe e dirige todas as coisas, e tudo o que eles são por um secreto restringir, de uma maneira maravilhosa, convém que O adoremos em toda a humildade, mesmo que não consigamos compreender como isto acontece.

Eu confesso que somos feitos participantes em Jesus Cristo e de todos os Seus benefícios, pela fé no Evangelho, quando somos assegurados de uma correta certeza das promessas que estão contidas nele: e, isto excede a todas as nossas forças, e que somos incapazes de alcançá-las, a não ser pelo Espírito de Deus; e assim, que isto é um dom especial, não sendo comunicado, senão aos eleitos que foram predestinados antes da criação do mundo para a herança da salvação, sem considerar a sua dignidade ou virtude.

Fonte: B.B. Warfield, Studies in Theology, pp. 194-195
Nota: o Dr. B.B. Warfield extrai este texto da Opera Calvini, vol. IX, pp, 721-726